HEIMAT

Recentemente vi o filme Jojo Rabbit que, de maneira irreverente, retratou pelo olhar de um menino a ascensão do nazismo e os impactos dessa ideologia na vida de cidadãos comuns.

Apesar da abordagem caricatural, ele me fez refletir, pela milésima vez, como as pessoas se comportam em épocas de crise.

Recordei a minha infância e a lavagem cerebral que recebi durante o governo salazarista. Do alto dos meus onze anos, de tanto ouvir falar na grandeza da nação costumava dizer que preferia morrer a perder as colônias portuguesas. Por esse motivo não estranhei que um garoto se deixasse contaminar, e tivesse como amigo imaginário o próprio Hitler.

Entretanto não consegui apreciar a minissérie Hunters, onde, mais uma vez, os nazistas e suas ideias abomináveis entram em cena. Admito que me distraí em alguns momentos e até mesmo gostei do desfecho surpreendente. Mas incomodou-me a utilização leviana de relatos verídicos, sobre o grande sofrimento infligido aos judeus, para contar uma história caricata entre mocinhos e bandidos. Quando terminou fiquei com a impressão de ter assistido a mais uma desnecessária teoria de conspiração.

Por coincidência, na mesma época em que vi o filme e a minissérie, estava lendo um romance gráfico que me agradou bastante. Trata-se de Heimat – ponderações de uma alemã sobre sua terra e história. Nele, a escritora Nora Krug recuperou as lembranças dos familiares que viveram durante a Segunda Guerra Mundial. O livro é composto de recortes, documentos oficiais, fotos, cartas e colagens e revela como foi a vida durante esse período sombrio da história da Alemanha. Estão lá os medos, dores, inseguranças, omissões e pouquíssimas esperanças. Um passado vivido por toda uma nação do qual as novas gerações procuram se distanciar.

Os alemães têm palavras bem compridas para designar com precisão uma sensação ou um sentimento. É o caso da palavra que dá nome ao título do livro: Heimat.

Heimat é um lugar especial onde você se sente acolhido e seguro. É mais do que um lar, ele pode ser real ou imaginário, mas você o associa a uma sensação de pertencimento onde suas crenças e valores o deixam confortável e não é necessário explicar quem se é. Mas qual seria esse lugar para a autora quando não se conhecem as fundações que o apoiam?

O livro não procura fazer um acerto de contas. Apenas reconhece que se grandes erros foram cometidos também houve tímidos e vitais gestos de solidariedade.

Ao tirar do limbo a história da família e se reconciliar com ela, Nora Krug abraça o presente sem guardar esqueletos escondidos no armário.

Heimat é uma biografia nada convencional que merece ser desfrutada.

Uma Praça em Antuérpia

Uma-praça-em-antuerpiaJá lhe aconteceu de ter que ir a um lugar ou a uma festa, sem estar com a menor vontade, e tudo sair exatamente ao contrário do que esperava? O lugar é sensacional e a festa termina por ser o maior sucesso.

Foi mais ou menos assim, um tanto ou quanto desmotivada, que comecei a ler Uma Praça em Antuérpia de Luize Valente.  O livro anterior da escritora já fora debatido no meu grupo de leitura. Não é que não tivesse gostado do O Segredo do Oratório, mas, na minha opinião, estava na hora de seguir adiante e conhecer outro autor brasileiro. Na reunião seguinte – à qual faltei – os participantes do grupo conversaram via Skype com Luize e decidiram ler seu último romance. Ainda bem que tomaram essa decisão porque o livro é ótimo!

Se em O Segredo do Oratório a autora resgatou a memória judaica que havia sido esquecida no interior do nordeste brasileiro, em seu novo livro ela aborda as vicissitudes sofridas pelos judeus nos anos que antecederam a Segunda Guerra Mundial e nos primeiros anos seguintes.

Na verdade, a narrativa começa no Rio de Janeiro quando Olivia, uma senhora portuguesa octogenária, conta para sua neta os motivos que a fizeram vir morar no Brasil.

De revelação em revelação, a jovem fica sabendo que sua avó tinha uma irmã gêmea, que se casou em Portugal com um pianista judeu alemão perseguido pelos nazistas. Theodor, o marido de sua irmã Clarice, também era comunista, um motivo mais do que suficiente para ser detido pelo governo de Salazar e deportado para seu país natal. Por essa razão, os dois decidiram sair de Portugal. Eles estavam felizes vivendo em Antuérpia quando a Bélgica foi invadida pelas tropas nazistas.

De novo precisaram fugir, mas nada fora planejado e eles tiveram que se juntar a milhares de fugitivos que se encontravam na mesma situação. Para o casal tudo era mais complicado. Eles preocupavam-se não só com a própria segurança mas também com a do filho, que tinha apenas quatro anos de idade, e com a gravidez adiantada de Clarice.

Uma Praça em Antuérpia é um romance baseado em fatos históricos que foram pesquisados pela autora em diversos jornais da época.

Enquanto lia, tinha a impressão de ver os lugares descritos e sentir a superposição de odores provenientes de corpos suados e mal alimentados. As descrições dos engarrafamentos e das multidões desesperadas se acotovelando na tentativa de escapar do inimigo são aflitivas.

Entendi porque me identifiquei mais com este romance do que com o primeiro. As perseguições e as fugas que ocorreram há mais de setenta anos estão acontecendo de novo. Desta vez chegam à Europa levas de refugiados escorraçados de seus países de origem por causa da religião que professam ou do grupo étnico a que pertencem. Fogem apenas com a roupa do corpo, abandonando às pressas casas e negócios, em busca de um lugar seguro para viver em paz.

Quando o grupo de leitura voltou a se reunir para debater o livro, mais uma vez conversamos com a autora via internet. Desta vez eu estava presente e fiquei chocada com uma informação que ela nos passou: Quando a guerra terminou, Salazar enviou um telegrama de pêsames ao governo alemão e decretou luto oficial de três dias pela morte do ditador. *

https://pt.wikipedia.org/wiki/Portugal_na_Segunda_Guerra_Mundial

 

  • Uma Praça em Antuérpia

Luize Valente

Editora Record

R$ 45,00

E-BooK R$ 12,00

%d blogueiros gostam disto: