Gostei dos dois

Falta pouco para o meu aniversário e logo será Natal. Aguardo ansiosa pelos presentes-livros que irei receber. O problema – se é que se pode chamar de problema – é que ainda não dei conta de todos que ganhei ano passado. Como sou indisciplinada, passei na frente outros livros que por alguma razão me atraíram.

Um que furou a fila foi Pequenos incêndios por toda a parte, da escritora norte-americana Celeste Ng. Escolhi porque não queria ler nada muito sério durante os longos voos que fiz ao viajar recentemente.

Com efeito, a narrativa começou bem descontraída, mas gradativamente os conflitos ganharam intensidade. Questões complexas sobre a maternidade foram levantadas: o desejo de ser mãe e não conseguir; escolher maneiras pouco comuns para se ter um filho; adoções inter-culturais e raciais; abandonar um bebê num momento de desespero; fazer ou não um aborto… Com engenhosidade a autora embaralha todas as possibilidades alterando as circunstâncias e as crenças iniciais dos personagens.

Ao terminar Pequenos incêndios por toda a parte, tive vontade de emendar com o outro livro de Celeste Ng, Tudo que nunca Contei, mas me contive. Depois de tanto tempo sem ir a Portugal, regressei determinada a descobrir os novos escritores portugueses.

Lembrei que ganhara no ano passado Índice médio de felicidade escrito por David Machado. O livro recebeu em 2015 o Prêmio da União Europeia de Literatura. Fiz uma ótima escolha ao resgatá-lo do esquecimento, porque encontrei um escritor de texto ágil e claro.

A narrativa se passa durante a grave crise econômica que atingiu Portugal em 2008. O personagem principal, apesar de sofrer graves revezes profissionais, procura manter o otimismo. Cada manhã é um novo desafio. Talvez fosse mais fácil se ele se concentrasse em resolver apenas os próprios problemas, mas não é assim que ele age. Não dá para ser feliz se fingir que não vê as mazelas dos amigos ou se ignorar o pedido de ajuda de uma estranha.

Impossível não comparar aquela época com a atual realidade brasileira. Certo que o governo de lá tomou medidas duras e impopulares – o mesmo terá que se fazer por aqui -, mas fiquei com a sensação de que o mais importante foi a mudança da mentalidade dos portugueses. Daniel, personagem principal do livro, representa uma nova geração que não se conformou com a perspectiva de um destino sombrio e, com determinação e muita criatividade, arregaçou as mangas para modificá-lo.

Índice médio de felicidade é uma leitura inteligente para se começar 2019 com o pé direito. Quanto a mim, vou correr atrás da outra obra do David Machado publicada no Brasil: Deixem falar as pedras. Que bom que meu aniversário está próximo!

Só vou dar uma olhada

 

Cheguei adiantada à sessão de cinema. Do outro lado da rua o letreiro luminoso da livraria convidava-me a entrar.

“Só vou dar uma olhada, só vou dar uma olhada” – era esse o meu mantra quando adentrei no estabelecimento comercial.

Fotografei as novidades que me chamaram atenção: O que vem ao caso, romance de estréia de Inez Cabral, filha do consagrado escritor João Cabral de Mello Neto, Brevíssima História de Portugal, para não esquecer as minhas origens, A improbabilidade do Amor, romance publicado por uma editora paulista que não conhecia a Morro Branco, e, finalmente, Garotas Mortas escrito por uma argentina, pelo qual me interessei após espichar o ouvido e escutar a cliente recomendando-o à vendedora.

Com uma pontinha de orgulho, segui o mantra à risca e saí sem comprar nada! Se quisesse ver o filme desde o início, não teria tempo para aguardar na fila do caixa da livraria.

Dois dias depois, voltei a usar do mesmo estratagema. “Só vou dar uma olhada, só vou dar uma olhada”, pensei ao entrar em uma livraria de outro bairro.

A arrumação dos lançamentos era diferente. Além daqueles que anteriormente tinham chamado a minha atenção, agora eu deparava com outros. Só que desta vez não tinha uma sessão de cinema para me apressar. Eu acabara de almoçar um delicioso ravióli recheado com abóbora, envolto em molho de manteiga, sálvia e lascas de amêndoas, muito bem acompanhado de um vinho chileno, e tinha todo o tempo do mundo para flanar por entre os corredores da livraria.

E foi assim que a minha força de vontade ruiu e se transformou em Sem lugar no mundo de Françoise Frenkel e Pequenos incêndios por toda a parte de Celeste Ng.

“Só vou dar uma olhada”. Sei… como eu gosto de me enganar!

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: