Uma salada de frutas

salada-de-frutas

O final do ano presta-se para, entre outros tantos balanços, relembrar os livros que mais marcaram e que, com certeza, encontrarão um lugar especial na estante. Quem sabe, um dia terei a oportunidade de os reler ou talvez emprestar algum a quem saiba respeitar o sistema V & V (vai e volta).

O ano começou muito bem com a leitura do sensível Arroz de Palma de Francisco Azevedo (literatura brasileira);

Depois veio a história verídica e impressionante A vida de um alemão de Bernd Wollschlaeger. Apesar do pai ter sido um oficial nazista, o autor conscientemente se converteu ao judaísmo (biografia);

Gostei muito do inteligente romance Dez mulheres de Marcela Serrano. Foi praticamente impossível não criar uma  identificação com uma ou outra das bem delineadas personagens femininas (literatura estrangeira);

A descoberta, mesmo que tardia, de Sherlock Homes foi incrível. Curti bastante a leitura de O cão dos Baskervilles (clássico);

Na categoria infantil fiquei encantada com Ter um patinho é útil. Impressionante como se podem criar, apenas com duas cores e com os mesmos desenhos, duas histórias diferentes (literatura infantil);

O projeto gráfico de A incrível fuga da Cebola também me fascinou. Inclusive fiquei muito tentada em comprar um segundo exemplar para poder desmontá-lo. É isso mesmo, o livro desmonta, ou melhor: DESCASCA! (literatura infanto-juvenil);

A canção de Aquiles de Madeline Miller foi das leituras mais prazerosas que fiz nos últimos tempos e graças a ele aumentei bastante os meus parcos conhecimentos sobre mitologia grega (literatura estrangeira);

O fazedor de velhos de Rodrigo Lacerda supostamente indicado como leitura juvenil fez-me refletir sobre a difícil escolha da carreira profissional quando se é muito jovem, e ofereceu-me boas sugestões de futuras leituras (literatura juvenil);

Apesar de conhecer o desfecho dos acontecimentos vividos na Alemanha de 1933 desejei muito que os relatos alarmistas do embaixador americano fossem levados a sério – como se sabe, isso não aconteceu. No Jardim das Feras de Erik Larson é uma excelente aula de história que se lê como um romance de suspense (Biografia – História);

Fecho a minha seleção de 2013 com o perturbador Os meus sentimentos de Dulce Maria Cardoso. Nele tudo é incomum, não só a história propriamente dita, mas principalmente a narrativa corrosiva e fragmentada feita pela protagonista nos momentos que antecedem a própria morte. (literatura portuguesa)

A relação dos “mais mais” do ano é uma autêntica salada de frutas onde as minhas preferências se misturam sem muita lógica. Com paladares diferentes cada livro estimulou minha imaginação e me incentivou a fazer novas descobertas num processo que não tem fim. E é com uma pilha de “novos frutos” que aguardo a chegada do Ano Novo.

A todos os que leem Fagulha de Ideias desejo um 2014 repleto de saborosas leituras!

O arroz de Palma

Arroz de PalmaLogo após iniciar a leitura de Arroz de Palma, mentalmente, comecei a criar uma lista com os nomes das pessoas a quem gostaria de presentear este livro.

História de amor, história de família transplantada de Portugal para o Brasil, história de valores perenes enraizados com carinho e cuidado.

Fugindo da fome os recém-casados, José Custódio e Maria Romana, juntamente com Palma, irmã do noivo, deixam seu torrão natal e partem para o Brasil em busca de um começo digno para suas vidas.

A bagagem é pequena, alguns móveis, panelas, poucos livros e o presente de casamento mais precioso, mas também o mais incompreendido e escorraçado: Os doze quilos de arroz, recolhidos do chão entre pedras e oferecidos pela irmã e cunhada.

”O arroz que desabou sobre os noivos à saída de igreja foi torrencial. Eram punhados e mais punhados. Chuva branca que não parava. Nunca se viu tanta fartura em votos de felicidade.”

Enquanto prepara o almoço que reunirá depois de muitos anos, os irmãos, filhos, netos, sobrinhos e todos mais que puderem vir, Antonio, filho mais velho do casal de imigrantes, relembra as histórias da família que lhe foram contadas pela tia, assim como as que viveu.

Vidas que foram e continuarão a ser abençoadas pelo presente, símbolo de fertilidade e eterno amor. O arroz de Palma que haverá de passar de geração em geração sem jamais se deteriorar.

Lançado em 2008, Arroz de Palma é um livro luminoso e repleto de afetos que chegou às minhas mãos, graças à melhor forma de descobrir bons livros, o famoso boca-a-boca.

O Arroz de Palma

Francisco Azevedo

Editora Record

R$ 42,90

%d blogueiros gostam disto: