Janelas Abertas

Conheci o livro Janelas Abertas através de um vídeo postado na internet pela escritora baiana Mariana Paiva. Logo me interessei pelo tema que costuma ser pouco explorado: o de uma adolescente que mora com a mãe, em um quartinho, no apartamento onde esta trabalha como empregada doméstica.

Não foi fácil encontrar o livro publicado por uma pequena editora do interior de SP.  Precisei encomendá-lo, e assim que chegou, fiquei encantada com o caprichado projeto gráfico da editora Adonis.

Jéssica, a personagem principal, mora em um bairro de classe média alta e estuda numa escola pública. Ganha muitos presentes, mas não são exatamente os que gostaria de receber, porque são usados. Tem afeto pela patroa da mãe que sempre a tratou bem, mas ao mesmo tempo, ressente-se por ela pagar pouco.

À medida que a história se desenrola outros assuntos espinhosos, como preconceito racial e violência doméstica são apresentados, e o que inicialmente parecia ser uma relação desigual na verdade esconde segredos.

A narrativa tem diversas qualidades. Além de ser ágil, aborda um tema desconfortável de maneira inteligente e nem um pouco maniqueísta. Apesar de viver na interseção de dois mundos distintos, Jéssica não é amarga, nem se faz de vítima. Ela apenas procura encontrar saídas para não repetir as escolhas feitas pela mãe.

Nesse processo de autoconhecimento Jéssica contará com o apoio da melhor amiga e de uma professora.

Janelas Abertas é uma história bonita e questionadora que merece ser lida e recomendada aos jovens leitores.

 

 

  • Janelas Abertas

Lia D’Assis

Editora Adonis

R$ 39,50

 

 

 

A Primeira Vez

Primeira VezAssim que terminei de ler “Sete minutos depois da meia-noite”, procurei por outros livros de Patrick Ness que tivessem sido publicados no Brasil.

Encontrei um conto do autor na antologia “A Primeira Vez“, que fala exclusivamente da primeira experiência sexual. Aquela que vem embolada em muiiiito desejo e inseguranças: Com quem será? Quando e onde vai ser? Vai doer? etc. etc.

São oito histórias, oito situações bem diferentes, nas quais a maioria dos adolescentes – e por que não os adultos – se reconhecerão.

Algumas me enterneceram, outras me fizeram dar boas risadas e em algumas agradeci silenciosamente por viver numa sociedade onde a virgindade feminina não é mais uma mercadoria que tanto pode ser comercializada, como simbolizar a honradez de toda uma família.

Li as três primeiras histórias sem grandes sobressaltos, mas a quarta, a de Patrick Ness, chacoalhou a minha caretice. Definitivamente não estava preparada para uma história homo afetiva entre garotos. A narrativa é provocadora? Sim e não. As descrições estão todas lá, mas engenhosamente cobertas por tarjas negras.

Entretanto, o que me sensibilizou de verdade foi o olhar compreensivo e realista do autor sobre os conflitos pessoais e externos vividos por tantos meninos e meninas até conseguirem experimentar serenamente o próprio desejo sexual.

Não faz muito tempo a homossexualidade era penalizada criminalmente no Reino Unido. Novos estudos arejaram idéias e mentalidades bolorentas.

Apesar de não serem mais tolerados, até hoje acontecem casos de discriminação sexual. No entanto, acredito que os dias dos preconceituosos estão contados . Muito em breve, precisarão ocultar a própria intolerância sob pena de passarem de algozes para os novos marginalizados da sociedade.

 

  • A Primeira Vez

Autores:

Keith Gray

Jenny Valentine

Melvin Burgess

Patrick Ness

Mary Hooper

Sophie McKenzie

Bali Rai

Anne Fine

Editora L&PM

R$ 36,90

O fazedor de velhos

O fazedor de velhos

Ler O fazedor de Velhos, do escritor carioca Rodrigo Lacerda, já estava nos meus planos há algum tempo, mas uma antipatia inexplicável pelo título fazia com que procurasse outros livros enquanto mantinha seu nome devidamente  anotado, para uma eventual e futura leitura.

Recentemente ao esquadrinhar as estantes da pousada onde me hospedara, fui atraída por uma lombada laranja. Era ele, e desta vez não havia razão para ignorá-lo.

O texto não era muito grande e imaginei que terminaria o livro em dois dias, a tempo de devolvê-lo à estante de onde o havia retirado.

Sentada no sofá – em frente à lareira que crepitava – fui logo fisgada pelo primeiro parágrafo: Eu não lembro direito quando meu pai e minha mãe começaram a me enfiar livros garganta abaixo, mas foi cedo.

O “Eu” é Pedro – narrador da história – rapaz da classe média do Rio; “devorador” de livros, já carregando uma desilusão amorosa, e inseguro quanto à carreira profissional que escolheu seguir.

Confuso, questiona-se sobre quais rumos tomar na vida, mas como diz o ditado “quando o aluno está pronto o mestre aparece”.

E aquele homem – O Fazedor de Velhos, que já havia cruzado o seu caminho outras vezes – será seu mentor. As tarefas exigidas serão tediosas, sem sentido, e os ensinamentos recebidos – conviver com a frustração, aprender a pensar e sentir – difíceis de serem seguidos. Mas o Tempo – o verdadeiro mestre de todos nós – fará com que Pedro encontre o verdadeiro amor e descubra qual é a sua real vocação.

Em linhas gerais esta é a história do livro, mas ele oferecia “um algo mais” que muito me agradou.

Enquanto narra a história, Pedro fala das leituras pelas quais – graças à insistência da mãe – se apaixonou, e de outras que descobriu por conta própria.

Foi assim que conheci o belíssimo poema I-Juca-Pirama de Gonçalves Dias, indianista brasileiro do séc.XIX; fiquei com vontade de reler Eça de Queirós; e tomei coragem de enfrentar Rei Lear de Shakespeare – usando o mesmo método de Pedro: assistir primeiro o filme com Laurence Olivier, para só depois ler a peça. Ele também me apresentou ao atormentado escritor americano Raymond Carver, deixando-me com vontade de ler suas crônicas e poemas.

Assistindo a uma entrevista com o autor, compreendi o porquê do meu desconforto inicial com o titulo do livro. Ele conta que primeiro escolheu o título e só depois começou a escrever o livro. A primeira ideia era criar um vilão. No entanto, à medida que desenvolvia a história, acabou por criar um personagem simpático, alguém que valorizava o envelhecer – um fazedor de velhos com uma conotação positiva.

A leitura de O Fazedor de Velhos foi uma agradável surpresa. O livro indicado inicialmente para o publico juvenil já vendeu mais de 32 mil exemplares e ganhou em 2009 o Prêmio FNLIJ na categoria melhor livro para jovens.

E não, não consegui ler o livro em apenas dois dias. Mas assim que terminar de escrever este texto, pretendo devolvê-lo pelo correio e ao fazer isso agradecerei mentalmente por ter dado uma chance a este livro maravilhoso.

%d blogueiros gostam disto: