A pata de macaco e muito mais

Antologia-da-literatura-fantastica

A capa era sedutora e os escritores responsáveis pela seleção das histórias – Adolfo Bioy, Casares Jorge Luis Borges e Silvina Ocampo – também, mas o tema da Antologia da Literatura Fantástica não era dos meus favoritos. Portanto, entre tantas outras opções que me atraiam mais, não tive interesse em adquiri-lo.

No final do mês passado meu marido fez anos e ganhou-o de presente (é fácil presentear o casal, um bom livro ou vinho agradam-nos em cheio). Conhecedor da minha paixão mostrou-me o que havia recebido. Desta vez apreciei melhor o projeto gráfico do livro editado pela Cosac Naify – além de vir com capa dura, traz uma fita para marcar a página e todas elas são emolduradas em azul marinho. Um caprichoso só! E o cheiro? Inebriante, um autêntico perfume, perfume de livro!

No total são setenta e cinco histórias – não só contos, mas também fragmentos de romance e peças de teatro. O início de cada uma vem com o nome do autor e uma breve apresentação do mesmo.

Despreocupadamente comecei a folheá-lo. Umas histórias são bem curtinhas, não chegam a cobrir meia página; alguns autores conhecia, a maioria não, mas, de repente, bati os olhos na minha história de terror favorita: A pata de macaco de W. W. Jacobs. Reli-a e mais uma vez senti um arrepio na nuca. Um clássico, simplesmente magistral!

Se ela fazia parte dessa antologia como seriam as outras? Uma história de terror podia ser misturada a outras de cunho sobrenatural ou fantástico? Pronto, estava fisgada! Discretamente coloquei-o na minha pilha de livros, meu marido tem outros para ler na frente, é bem possível que nem dê por falta dele. Prometo, juro, vou lê-lo rapidinho!

O destino governa a vida dos homens e ninguém pode se opor a ele impunemente.

                                                                                                                                          (W.W. Jacobs)

  • Antologia da Literatura Fantástica

Casares / Borges / Ocampo

Editora Cosac Naify

R$ 69,90

A puxada de tapete

Mas… o que pode haver numa livraria que seja… insalubre?!

 O ultimo livroNão sei o que esperava encontrar quando escolhi ler O último livro. Confesso que desde o início simpatizei com o título e talvez estivesse seduzida com os comentários elogiosos na orelha do livro. Também, nunca tinha ouvido falar desse autor – afinal tratava-se de um escritor sérvio e, por fim, fiquei curiosa em descobrir o que a editora Octavo, que também não conhecia, estaria oferecendo, de diferente, para sobressair no meio dos lançamentos das concorrentes poderosas e há mais tempo no mercado.

A história parecia promissora. Supus que se tratava de um romance policial leve, sem muitos tiros e assassinatos sangrentos, mas com alguns cadáveres.

Mortes inexplicáveis aconteceram numa pequena livraria de bairro. Com a ajuda da proprietária, o policial responsável por solucionar o caso percebe que elas têm algo em comum. Todas as pessoas, aparentemente sem problemas de saúde, faleceram enquanto liam um livro específico. Mas que livro seria esse?

A leitura, graças à boa tradução, fluía bem, até que algo aconteceu na trama e como um puxão brusco de tapete, fez-me perguntar o que, afinal de contas, estava lendo.

Corri para a internet para conhecer melhor o autor.  Zoran Zivkovic, havia-se formado pela universidade de Belgrado na antiga Iugoslávia e defendera teses de mestrado e doutorado falando sobre Ficção Científica!!  Mais tarde tornou-se famoso por apresentar um programa na televisão e escrever uma Enciclopédia ilustrada sobre o mesmo tema. Em 2003 seu livro A Biblioteca  recebeu o prestigiado prêmio World Fantasy Award.

O meu estranhamento estava explicado. Não estava lendo um escritor policial, mas um autor especializado em literatura fantástica!

Talvez se soubesse, desde o início, do que se tratava, não teria interesse em ler o livro – diferente de meu filho não sou fã do gênero, mas como já tinha sido fisgada pela história, continuei.

Posso dizer,com toda a certeza, que não me arrependi. O final foi surpreendente.

Ao reler os comentários concordei com o que fora publicado no jornal genovês (Il Secolo XIX), sobre O último livro: “(…) Uma eficaz metáfora sobre o poder mágico da literatura, do triângulo indissolúvel entre escritor, os seus personagens e o leitor”. Era isso mesmo.

O último livro

Zoran Zivkovic

Editora Octavo

R$ 46,00

%d blogueiros gostam disto: