Ai que saudade!

Passei duas tardes inteirinhas passeando por Lisboa sem sair de casa. Graças ao guia Vá a Lisboa e me leve com você!, escrito pela embaixatriz Elza Maria da Costa e Silva Lima, e que atualmente mora com o marido em Abuja*. (como anda a sua Geografia? A minha, péssima. Precisei pesquisar na internet para saber onde fica esse lugar)

Revisitei lugares e conheci outros que surgiram desde a última vez que estive a passeio em Portugal. Relembrei expressões introdutórias de uma conversa que não são usuais no Brasil, como: Desculpe lá…, Não se importa… Já agora…, e uma palavra que a encerra: Obrigadinha!

Aprendi que se costumava comer os pastéis de nata acompanhados por vinho verde, mas que atualmente eles são consumidos com um cafezinho ou uma “bica”. Achei curiosa a primeira combinação, por não ser um tipo de vinho que acompanha um doce, e procurei saber mais a respeito. Apesar de não ter encontrado nenhuma confirmação desse hábito, aprendi que um pastel de nata vai muito bem com um cálice de um vinho generoso, como um Madeira, um Moscatel ou um Porto Tawnay.

Reza a lenda que os pastéis de nata são uma criação original dos monges que viviam no Mosteiro dos Jerónimos. Entretanto encontrei quem contrariasse essa teoria, alegando que desde o reinado de D. João II os homens estavam não só proibidos de mexer em açúcar, como de consumi-lo. Essa seria uma das razões pela qual a tradição da doçaria portuguesa está tão ligada ao sexo feminino.

Enquanto lia Vá a Lisboa e me leve com você, deu-me uma saudade da minha irmã que mora em Portugal e liguei para ela. Aproveitei para perguntar o que era “uma meia torrada aparada”. Ela me disse que ao se pedir numa cafeteria “uma torrada” são servidas duas.  No caso específico, “meia torrada” é uma única fatia de pão de forma onde a côdea (casca) foi retirada. Ah, agora entendi!

Como ela mora em Campo D’Ourique, contei que na próxima vez que for a Portugal quero conhecer o restaurante mais tradicional do bairro, o Coelho da Rocha (e isso lá é nome que se dê a um restaurante?!). Ela me disse que sim, mas que preferia me levar n’O Magano. Lá fui eu de novo procurar saber o significado dessa palavra e fiquei surpresa com a resposta. Magano quer dizer ardiloso, velhaco, folgazão. Os portugueses escolhem cada nome para os seus estabelecimentos comerciais!

Bom, mas por causa do guia já comecei a montar o meu roteiro de viagem. Quero subir na cobertura sinuosa ou “lombo” do novíssimo Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), localizado à beira do rio Tejo; almoçar com a minha irmã no restaurante Magano, especializado em comida alentejana; conhecer o Palácio dos Marqueses de Fronteira (segundo a autora, “talvez seja o palácio mais memorável que você poderá ver em Lisboa”) e que foi construído no séc. XVII pelo primeiro Marquês de Fronteira. Até hoje os descendentes moram ali e por essa razão não abre à visitação nos finais de semana.

Quero também tomar um sorvete na minha sorveteria do coração, Santini (apesar das más línguas dizerem que a melhor sorveteria de Lisboa é a Nannarella); visitar o Museu Nacional do Azulejo, renovado recentemente, e admirar o painel intitulado O Casamento da Galinha;

Tomar chá no antigo salão de baile do Palacete Chafariz d’El Rei, construído por um português que fez fortuna no Brasil no início do século passado. Esse lugar tem uma arquitetura tão exótica que as autoridades tentaram demoli-lo por atentado ao bom gosto urbano.

Nunca imaginei que a leitura de um guia de viagens pudesse ser tão prazerosa. Vá a Lisboa e me leve com você! estimulou-me a rever os meus conhecimentos sobre os reis e a História de Portugal: estudei a sucessão monárquica desde D. Pedro IV (D. Pedro I do Brasil) até o seu tataraneto D. Manuel II, que foi deposto no início do século passado, quando foi instaurada a República. Aprendi também quantas capitais teve Portugal (se me perguntassem num desses programas de perguntas e respostas eu seria sumariamente eliminada). Foram cinco no total: Guimarães, Coimbra, Rio de Janeiro, Angra do Heroísmo ** (!!) e Lisboa.

Com toda a certeza Vá a Lisboa e me leve com você! estará comigo na próxima vez que o meu destino for o Aeroporto da Portela.

Ai que saudade!

 

*capital da Nigéria! Achou que era Lagos, não é?

**cidade no arquipélago dos Açores

 

  • Vá a Lisboa e me leve com você!

Elza Maria da Costa e Silva Lima

Topbooks

R$41,90

%d blogueiros gostam disto: