As coisas como elas são

No dia das mães ganhei de presente um leitor de livros digital. Entusiasmou-me a possibilidade de encontrar nesse formato livros que estão esgotados ou que ficariam muito caros se os encomendasse em papel dos EUA. Apesar dessas vantagens inquestionáveis, esqueci-o no fundo de uma gaveta, por vários meses.

Uma promoção tentadora me animou a usá-lo. Todos os e-books, que normalmente são mais em conta que um livro físico, estavam com desconto de 50%. Impossível recusar. Como não baixar aquele livro que “namorei” na última vez que estive na livraria, e que só não levei por causa da pilha que me aguardava em casa? Agora ele se tornara uma autêntica pechincha.

O romance em questão é “As coisas como elas são” da escritora norte-americana Laurie Frankel, e foi eleito em 2017 por diversos sites, jornais e revistas como o livro do ano nos EUA.

Ele conta a história de um casal que tem quatro filhos. Ao saber que serão pais mais uma vez torcem pela chegada de uma menina. No entanto, nasce mais um menino. Ele cresce rodeada de amor e carinho, mas, diferentemente dos irmãos, ainda bem novinho, demonstra interesse em usar vestidos e deixar o cabelo comprido. No início os pais acreditam que é apenas uma fase, uma brincadeira e, assim que for para a escola, ela seguirá o exemplo dos irmãos. Não é o acontece, e eles percebem que o filho mais novo se sente mais à vontade sendo uma menina.

Apesar de fazer ressalvas a algumas passagens do livro (a história que o pai inventou e conta para os filhos é confusa e sem graça) e ter críticas quanto à tradução e revisão do texto, achei a leitura de “As coisas como elas são” muito interessante. Na verdade mais do que isso, trata-se de uma leitura necessária e esclarecedora. Porque ela aborda um assunto que ainda é tabu: a transexualidade.

Como reconhecer e ajudar um filho (a) a fazer a transição de gênero? Como protegê-lo(a) dos preconceitos e da ignorância?

Ignorância na qual eu também me incluo, afinal, o que sei sobre o tema? Será que eu tive alguma colega de escola ou faculdade que não se sentia a vontade dentro do próprio corpo? Por que é que aquela menina roía todas as unhas até deixar as cutículas sangrando? Quanta desinformação, quantos segredos, quanto medo. O medo paralisa, afasta, alimenta preconceitos.

Está mais do que na hora de buscar informações e cuidar de quem sofre em silêncio. Para mim, a leitura de “As coisas como elas são” foi um bom começo.

%d blogueiros gostam disto: