O poder dos Quietos

Fugi por completo ao meu estilo habitual de leitura e li O poder dos Quietos, de Susan Cain. A mudança não poderia ter sido mais estimulante e instrutiva.

Estamos tão habituados a admirar pessoas extrovertidas que nos esquecemos que esse comportamento nem sempre foi o mais apreciado.

Até o início do século passado, os atributos que valorizavam uma pessoa eram os de ordem moral: honradez, disciplina, altruísmo e modéstia.  Se a pessoa era atraente, simpática ou divertida era irrelevante. O importante era o seu caráter e como se comportava na vida privada.

Então, como chegamos a uma sociedade que se importa mais com as aparências e ignora por completo o ditado popular que diz “o hábito não faz o monge”?

O responsável por esta revolução de costumes foi um norte-americano, nascido na segunda metade do século XIX, chamado Dale Carnegie. Ele adaptou as técnicas de uma boa oratória – utilizada por pastores religiosos – a um novo grupo profissional que começava a ganhar cada vez mais importância, o dos vendedores. Não satisfeito, tornou essas mesmas habilidades essenciais não só nas relações profissionais como também nas pessoais. A sensibilidade, discrição e a introspecção passaram a ser características pouco valorizadas, e outras como a desenvoltura, confiança, simpatia e a boa aparência tornam-se fundamentais para vencer e ser alguém na vida.

Em seu livro O poder dos quietos a autora reúne de maneira interessante diversas entrevistas com psicólogos, executivos, professores e histórias familiares verídicas, procurando mostrar que não há nada de errado em ser extrovertido se esse é realmente o seu temperamento, a sua verdadeira natureza. O problema é quando não se valorizam as qualidades de mais de um terço da população mundial que possui um temperamento oposto. Ao engessar maneiras de sentir e estar na vida, criam-se sofrimentos desnecessários e perdem-se ótimas oportunidades de crescimento não só pessoal, como profissional e corporativo.

O fundamental é se sentir feliz na própria pele, fazendo o que se gosta de acordo com as características do próprio temperamento e sem precisar se enquadrar em um único modelo comportamental pré-determinado para ser aceito e respeitado.

 

  • O poder dos Quietos

Susan Cain

Editora Agir

R$ 32,90

também disponível em E-book

 

Para quem quiser saber um pouco mais sobre o tema, recomendo a palestra de Susan Cain.

%d blogueiros gostam disto: