Livros, livrarias, editoras e afins

Admito que tudo que diz respeito a livrarias, editoras e afins, me atrai. Por essa razão, recentemente, adquiri dois livros que abordavam esse mundo.

O primeiro, Amor nas Entrelinhas de Katie Fforde foi uma decepção total. A trama era repleta de clichês, como a jovem livreira apaixonada pelo que faz e não liga a mínima para a própria aparência; a excentricidade inglesa versus a irascibilidade viril irlandesa; ou a falsa modéstia servindo de escudo para a baixa autoestima de uma mocinha com diversos talentos inexplorados.Amor-nas-entrelinhas

Enfim, deveria ter dado ouvidos a uma amiga, que ao ver a capa do livro, comentou: “Hummm, está me cheirando a um tremendo água com açúcar”. E não é que ela tinha razão?

Portanto foi com um pé atrás que comecei a ler A vida do Livreiro A.J. Fikry de Gabrielle Zevin.

Mais uma vez deparei com o velho clichê do livreiro rabugento e preconceituoso, que tem ojeriza a todos os autores que ganham rios de dinheiro, por considerar o que eles escrevem de pouca qualidade ou apelativo demais. (Como se, atualmente, uma livraria pagasse suas contas vendendo apenas o que dono gosta.)

A.J. Fikry é o proprietário de uma pequena loja localizada em uma ilha – na costa da bonita região de Massachusetts, e ficou viúvo há pouco menos de dois anos. Talvez seja por isso que não tenha muita paciência com os clientes, além de ser desleixado com ele mesmo. (mais clichês).

A-vida-do-livreiro-A-J-FikryApós uma noite de solitária bebedeira, Fikry tem seu bem mais precioso – um livro raríssimo – roubado, e, poucas semanas depois, algo mais surpreendente lhe acontece. Ao retornar de uma caminhada, encontra no chão do estabelecimento um bebê menina, e, sobre o balcão, um bilhete pedindo que cuide bem dela. (Acredite essas duas pontas, aparentemente desconexas, no final irão se encontrar).

Ao decidir ficar com a criança a vida do livreiro sofre uma reviravolta, empurrando-o para novas possibilidades e recomeços.

No início de cada capítulo Fikry sugere a leitura de contos ou romances que foram importantes em diversos momentos de sua vida. Alguns não foram publicados no Brasil, e outros como “Do que estamos falando quando falamos de amor” de Raymond Carver, recebeu um título bem diferente, passando a se chamar “Os iniciantes” (devidamente anotado no caderninho, para não me esquecer de o ler um dia).

Apesar de reconhecer a relevância das novas tecnologias, a autora faz uma bonita homenagem às livrarias – como polos culturais de uma comunidade, e aos livreiros – responsáveis por orientarem e estimularem os clientes a conhecerem novos autores.

Thomas Merton, monge trapista, foi quem disse primeiro: “nenhum homem é uma ilha”, mas Fikry aprimorou a frase acrescentando ao slogan de sua livraria: “cada livro é um mundo”.

Nenhum homem é uma ilha; Cada livro é um mundo.

Preciso dizer que gostei da história inteligente e sensível de “A vida do livreiro A. J. Fikry?

 

  • A vida do livreiro A. J. Fikry

Gabrielle Zevin

Editora Paralela

R$ 24,90

E-book R$ 16,90

Não é um mar de rosas

A_EQUACAO_DO_CASAMENTOInvejo quem mora nas grandes cidades e tem acesso a mais opções de  festivais de cinema, peças de teatro, exposições e palestras do que eu. Diariamente recebo e-mails anunciando e convidando para vários eventos dos quais gostaria de participar. Mas será que se morasse num desses lugares usufruiria de tudo isso? Realisticamente acredito que não. Faltaria tempo, dinheiro e disposição para enfrentar os engarrafamentos intermináveis e estressantes, e terminaria por ficar em casa acompanhando à distância todos esses acontecimentos.

No entanto, como continuo curiosa com o que se passa “lá fora”, interessei-me pela palestra proferida pelo psicanalista e terapeuta familiar Luiz Hanns, na Casa do Saber do Rio de Janeiro. Nessa ocasião ele falou sobre o casamento contemporâneo e lançou  A equação do casamento – o que pode (ou não) ser mudado na sua relação. Se não pude assistir à palestra, pelo menos comprei o livro – o que fiz rapidamente – e não me decepcionei.

A partir dos depoimentos de vários casais – gente como a gente – o terapeuta prova que nos dias de hoje, para manter um relacionamento feliz, não basta apenas amar e ter boa vontade para enfrentar os problemas que inevitavelmente surgirão .

De forma simples enumera os fatores que corroem um relacionamento: a incompatibilidade de personalidades, os modos distintos de enfrentar as pressões externas do cotidiano, as diferenças do desejo sexual de cada parceiro, e outros mais. Por fim, convida o leitor a responder a um questionário que o auxiliará a perceber quais são os pontos fracos de seu relacionamento e a valorizar os fortes – afinal não há casal que não os tenha.

A leitura de A Equação do Casamento é recomendável  para quem vive junto há muito tempo, para os que ainda se encontram na fase mágica das descobertas e, também, para quem  ainda procura o parceiro (a) ideal. Afinal a maioria das uniões amorosas não é exatamente um “mar de rosas” e muitos “espinhos” poderiam ser evitados ou até mesmo eliminados se soubéssemos quais as armadilhas a serem evitadas e como desarmá-las.

  • A Equação do Casamento

Luiz Hanns

Editora Paralela

R$ 39,90 / R$ 27,90 (e-book)

A minha maluquice não tão secreta

livros de receitas culinárias

Na minha família costuma-se dizer que alguém tem uma pancada quando apresenta um hábito estranho ou um gosto esquisito. A pancada pode ser excêntrica e motivo de piada, mas será sempre inofensiva.

Confesso que a minha pancada é comprar livros de culinária. Houve um tempo em que menos criteriosa comprava tanto aqueles publicados por autores estrangeiros quanto aqueles de autores nacionais. Hoje isso não acontece mais. Cansei de ler uma receita e me frustrar ao perceber que faltava um ingrediente fundamental para a confecção de um prato, ou que a tradução ficava um tanto ou quanto a desejar.

Considero a leitura de um livro de culinária altamente relaxante: leio as receitas, imagino os pratos, monto os cardápios, convido os amigos, “como” com os olhos, e o melhor de tudo não engordo um grama sequer!

Esta maluquice tem apenas um pequeno probleminha… Simplesmente não sei cozinhar! Tudo bem, faço ovo frito, mexido, macarrão al dente, sanduíches gostosos, mas só!

Atualmente iniciei um novo “namoro” com dois títulos que visito toda a vez que passo pela seção de culinária da livraria:

Cozinha de estar – Receitas práticas para receber

Naturalissima – as premiadas receitas

Desejo a todos bom apetite!

Cozinha de estar – Receitas práticas para receber
Rita Lobo

Editora Paralela

R$ 69,90

Naturalíssima – as premiadas receitas
Tatiana Cardoso

Editora Alaude

R$ 75,00

%d blogueiros gostam disto: