A lista de desejos – parte 2

 

Dar por encerrada uma lista com os livros que pretendo ler é tarefa inglória, fadada ao insucesso, e ainda bem que é assim!

Afinal como resistir às novas resenhas que leio ou às indicações feitas por amigos e leitores do blog?

Na minha lista original constavam os seguintes livros:

Se-so-me-restasse-uma-hora-de-vida

Se só me restasse uma hora de vida – Roger-Pol Droit – Bertrand (escritor francês)

A capa e o título provocador do livro chamaram minha atenção. O autor é um filósofo acostumado a destrinchar temas complexos para um publico leigo no qual me incluo. A conferir.

 

 

A pirâmide do café – Nicola Lecca – Bertrand (escritor italiano)

Este livro foi considerado um dos dez melhores romances italianos de 2013. Ao pesquisar um pouco mais sobre ele, interessei-me pelo tema abordado: “de maneira delicada e emocionante, mostra um jovem ingênuo de cidade pequena que vai entendendo as complicações da vida em uma metrópole. O autor desenvolve uma crítica à sociedade e ao mercado de trabalho, onde aquele que pensa diferente e que busca novas soluções é quase sempre alvo de outros funcionários.”a-piramide-do-cafe

 

 

 

 

 

 

A-imperatriz-de-ferroA Imperatriz de ferro: a concubina que criou a China moderna – Jung Chang – Companhia das Letras (escritora chinesa)

A biografia de uma concubina, que imperou a China por quase meio século, tem que ser no mínimo fascinante, principalmente quando escrita pela autora do imperdível Cisnes Selvagens.

 

 

O fio da vida – Kate Atkinson – Globo Livros (escritora inglesa)

Este livro foi considerado um dos 5 melhores romances de 2013 pelo jornal New York Times, o que não deixa de ser uma excelente recomendação. Além de ser um fenômeno de crítica e público, o seu tema é bastante  instigante: “E se você pudesse mudar as escolhas da sua vida? E se ao nascer de novo, refazendo sua trajetória, pudesse mudar o destino de outras pessoas e até o curso da história?”O-fio-da-vida

 

 Dias Perfeitos – Raphael Montes – Companhia das Letras (escritor brasileiro)

Só tenho lido críticas elogiosas a este suspense escrito por um carioca de apenas 23 anos. Depois que assisti à sua entrevista no programa de Jô Soares fiquei ainda mais interessada em ler o livro.

Raphael-Montes
http://globotv.globo.com/rede-globo/programa-do-jo/v/jo-conversa-com-o-autor-raphael-montes/3269040/

 

sete-anosSete anos – Fernanda Torres – Companhia das Letras (escritora brasileira)

Considerei a estreia da atriz de televisão/cinema/teatro no mundo da literatura um grande sucesso. Nada mais natural que queira acompanhar de perto seu mais recente trabalho.

 

 

 

À lista original novos títulos foram acrescentados:

A balada de Adam Henry de Ian McEwan e Judas de Amós Oz, ambos publicados pela Companhia de Letras, e, por indicação de uma leitora do blog, O oitavo selo de Heloísa Seixas da editora Cosac Naify.

Oitavo-selo

 

Oh céus, onde encontrar tempo para ler tudo o que desejo?

a máquina de fazer espanhóis

a maquina de fazer espanhois

Foi com algum receio que comecei a ler a máquina de fazer espanhóis de valter hugo mãe. Aqueles capítulos não muito longos, com pouquíssimos parágrafos, e sem letras maiúsculas para sinalizar o inicio das frases e os nomes próprios, me assustaram.

Feita esta consideração, quero dizer que após uma pequena dificuldade inicial, apreciei a narrativa segura do autor, e me emocionei com os personagens retratados no romance.

Com a morte da mulher, António Jorge da Silva, aos 84 anos, é colocado pela filha em um asilo. Revoltado por perder sua companheira de mais de cinco décadas, e ser obrigado a viver onde nunca imaginou, ele custa a se adaptar ao novo lar.

Mas, como diz a sabedoria popular “o que tem que ser tem muita força”. Aos poucos, a tristeza vai diminuindo, graças à solidariedade que recebe dos hóspedes mais antigos, e dos cuidados de profissionais atenciosos.

O Lar da Feliz Idade é um lugar de espera. Ali há poucos sonhos, muitos pesadelos e algumas alucinações. Os ecos de um passado subserviente e a constatação de antigas crenças equivocadas, rondam as lembranças do Sr. Silva, e também de seus novos amigos.

Uma leitura apressada poderá afastar o leitor, desconfortável com um tema tão duro e potencialmente angustiante.  Espero que isso não aconteça, porque, além de iluminar e dar voz de forma digna a uma parcela da população cada vez mais numerosa, o grande mérito do livro está em confirmar o que por vezes é esquecido. O que dá sentido à Vida – quer ela esteja no seu apogeu, ou prestes a se extinguir -, o que nos faz querer viver um pouco mais, o que nos resgatará do esquecimento, é o Outro.

precisava deste resto de solidão para aprender sobre este resto de companhia. este resto de vida que eu julguei já ser um excesso, uma aberração, deu-me estes amigos. e eu que nunca percebi a amizade,nunca esperei nada da solidariedade, apenas da contingencia da coabitação, um certo ir obedecendo, ser carneiro, eu precisava deste resto de solidão para aprender sobre este resto de amizade. hoje percebo que tenho pena da minha laura por não ter sido ela a sobreviver-me e a encontrar nas suas dores caminhos quase insondáveis para novas realidades, para os outros. os outros justificam suficientemente a vida, e eu nunca o diria.

Quem não cultiva afetos, ou não se preocupa em preservá-los, já morreu e não foi avisado.

A pata de macaco e muito mais

Antologia-da-literatura-fantastica

A capa era sedutora e os escritores responsáveis pela seleção das histórias – Adolfo Bioy, Casares Jorge Luis Borges e Silvina Ocampo – também, mas o tema da Antologia da Literatura Fantástica não era dos meus favoritos. Portanto, entre tantas outras opções que me atraiam mais, não tive interesse em adquiri-lo.

No final do mês passado meu marido fez anos e ganhou-o de presente (é fácil presentear o casal, um bom livro ou vinho agradam-nos em cheio). Conhecedor da minha paixão mostrou-me o que havia recebido. Desta vez apreciei melhor o projeto gráfico do livro editado pela Cosac Naify – além de vir com capa dura, traz uma fita para marcar a página e todas elas são emolduradas em azul marinho. Um caprichoso só! E o cheiro? Inebriante, um autêntico perfume, perfume de livro!

No total são setenta e cinco histórias – não só contos, mas também fragmentos de romance e peças de teatro. O início de cada uma vem com o nome do autor e uma breve apresentação do mesmo.

Despreocupadamente comecei a folheá-lo. Umas histórias são bem curtinhas, não chegam a cobrir meia página; alguns autores conhecia, a maioria não, mas, de repente, bati os olhos na minha história de terror favorita: A pata de macaco de W. W. Jacobs. Reli-a e mais uma vez senti um arrepio na nuca. Um clássico, simplesmente magistral!

Se ela fazia parte dessa antologia como seriam as outras? Uma história de terror podia ser misturada a outras de cunho sobrenatural ou fantástico? Pronto, estava fisgada! Discretamente coloquei-o na minha pilha de livros, meu marido tem outros para ler na frente, é bem possível que nem dê por falta dele. Prometo, juro, vou lê-lo rapidinho!

O destino governa a vida dos homens e ninguém pode se opor a ele impunemente.

                                                                                                                                          (W.W. Jacobs)

  • Antologia da Literatura Fantástica

Casares / Borges / Ocampo

Editora Cosac Naify

R$ 69,90

Sete cantigas dentro de uma só

Cantiga-BlexbolexE minha encomenda chegou.

Cantiga de Blexbolex editado no Brasil pela Cosac Naify foi considerado pelo The New York Times como um dos dez livros ilustrados mais bonitos de 2013.

Enquanto a vendedora o manuseava pensei que ele não parecia nada com o que tinha imaginado que fosse. Supus um livro de tamanho mediano, capa mole, fininho e recebi um “tijolinho”, gordinho e de capa dura.

O texto vem com as letras que aprendi em criança ao ser alfabetizada. Uma caligrafia linda, redonda, quase que desenhada, e que informalmente apelidávamos “de mão dada”. Acredite, as letras se movimentam! Ora são comportadas, ora acompanham o movimento das ilustrações.

São sete histórias. Todas começam com o  mesmo desenho – uma escola, e todas terminam com a mesma casa. No entanto, elas são diferentes, e uma após a outra crescem em complexidade, complexidade esta que se desdobra em um texto mais elaborado e com novas ilustrações.

Imagine, aumente um pouquinho, acrescente outro personagem, outra aventura… e logo o autor convida o leitor a dizer, em voz alta, as palavras que não foram escritas.

Cantiga é um livro original, perfeito para quem ainda se encanta com o “objeto” livro, e as mil promessas que ele guarda dentro de si, apenas aguardando que alguém as aprecie e admire.

  • Cantiga 

Blexbolex

Editora Cosac Naify

R$ 39,90

Entradas Mais Antigas Anteriores

%d blogueiros gostam disto: