A Caderneta Vermelha

A Caderneta Vermelha se enquadra na categoria de livros gostosos de ler. O fato da história se passar em Paris já conta pontos a favor. Depois, quando se tem como personagem principal o dono de uma charmosa livraria de bairro, é quase impossível errar.

Um dia, durante seu passeio matinal, Laurent é atraído por um objeto de cor lilás jogado displicentemente sobre um latão de lixo.  Ao se aproximar vê uma bolsa de couro em perfeito estado de conservação. O livreiro constata que a bolsa não está vazia. Dentro dela estão diversos objetos de uso pessoal. Supondo que a bolsa foi furtada, ele vai até a delegacia mais próxima. Entretanto, como o policial de plantão não pode atendê-lo imediatamente, ele a leva para sua casa.

Ao tentar descobrir, por conta própria, alguma informação sobre a dona da bolsa, Laurent investiga o seu conteúdo. Inicialmente constrangido, como se cometesse um ato ilícito, aos poucos ele se deixa envolver pelo universo muito particular de uma desconhecida. De dentro da bolsa ele retira os mais diversos objetos pessoais: um frasco de perfume, um saquinho com balas de alcaçuz, um livro do premiado escritor Patrick Modiano com uma dedicatória enigmática: “Para Laure, lembrança do nosso encontro sobre a chuva”, e uma caderneta Moleskine vermelha, na qual a proprietária da bolsa escreveu aleatoriamente diversos pensamentos.

Dividindo-se entre os afazeres da livraria, os ciúmes da namorada e os encontros com a filha adolescente, Laurent inicia uma busca por essa mulher misteriosa. Ele tem a impressão de conhecê-la mais intimamente do que às outras mulheres com quem conviveu até então.

A leitura de A Caderneta Vermelhade Antoine Laurain, é extremamente agradável, perfeita para quem aprecia uma história de amor cativante e inteligente.

 

  • A caderneta vermelha

Antoine Laurain

Editora Alfaguara

R$ 34,90

Essa Menina – de Paris a Paripiranga

livro-essa-menina

Sempre aguardo com interesse a chegada das listas com os 10+ que aparecem todo final de ano. Elas abrangem os mais diversos assuntos e, como não poderia deixar de ser, as minhas favoritas são as que falam sobre livros.

Gosto quando li um ou outro dos recomendados, e fico curiosa se não conheço algum. Foi o que aconteceu com “Essa Menina – de Paris a Paripiranga”, escrito pela sergipana Tina Correia, e indicado por Zuenir Ventura no jornal O Globo.

O comentário elogioso do escritor – “um romance de estréia de quem domina a arte de narrar” – fez com que me interessasse por ele imediatamente.

O livro reúne diversas lembranças da infância e adolescência da autora vividas numa pequena cidade nordestina.

O jeito de Tina contar suas memórias é coloquial e repleto de regionalismos pitorescos. O que seria: “quem quisesse ter mabaços deveria comer frutas inconhas”?

Para quem não entendeu nada – assim como eu – a escritora explica: Mabaços são irmãos gêmeos, e frutas inconhas são aquelas que nascem grudadas uma na outra.

De superstição em superstição diverti-me muito, e soube de costumes populares que aos poucos foram esquecidos. Como o das meninas que mastigavam o tendão borrachudo do boi, atrás de uma porta (!), enquanto repetiam três vezes a frase “cabelouro me põe bonita!”. Este ritual era praticado pelo sexo feminino com o propósito de melhorar a aparência física.

A autora relembra também, de quando desejou conciliar a profissão de professora com a de cantora ou artista de cinema.

Após muitos anos sem cortar os cabelos – para cumprir uma promessa feita pela tia – assim que pode imitou o penteado curto da cantora Ângela Maria.

Curiosa para saber como era esse corte de cabelo fui pesquisar na internet. Além dessa informação, descobri que Ângela Maria após seis maridos e muitos namorados, em 1979, casou-se aos 51 anos com um rapaz de 18. Custei a acreditar, mas não só era verdade como os dois são felizes até hoje.

O sonho de ser artista de cinema teve seu ápice quando viu a atriz Vanja Orico atuar no filme “O Cangaceiro” dirigido pelo cineasta Victor de Lima Barreto. De novo recorri ao Google para saber um pouco mais. Aprendi que foi o primeiro filme brasileiro a ser visto no exterior, e que em 1953 recebeu dois importantes prêmios em Cannes: Melhor Filme de Aventura e Melhor Trilha Sonora.

Recentemente, uma das canções do filme, “Mulher Rendeira”, encantou o mundo inteiro ao ser tocada na cerimônia de encerramento das Olimpíadas do Rio de Janeiro em 2016.

Quando terminei de ler “Essa Menina – de Paris a Paripiranga” pensei que se porventura ainda estivesse trabalhando numa livraria, o indicaria para muitos clientes. Este é um livro que merece ser conhecido.

 

  • Essa menina – de Paris a Paripiranga

Tina Correia

Editora Alfaguara

R$ 39,90

E-Book R$ 27,90

A Boa Terra

a-boa-terraLi A Boa Terra de Pearl Buck na adolescência. Dessa primeira leitura guardei uma boa lembrança.

O exemplar que acabei de ler não é mais o mesmo. O que tenho em mãos faz parte da coleção Grandes Sucessos, lançada em 1981 pela editora Abril Cultural. Juntamente com outros, sobreviveu a diversas mudanças – tanto de cidades quanto de apartamentos – e nunca tinha sido manuseado. Dessa coleção já li Lolita, mas não A Romana de Alberto Moravia, nem O Planeta do Sr. Sammler de Saul Bellow. Preciso reverter essa situação urgentemente. É triste guardar por tanto tempo livros que nunca foram lidos.

Os dois últimos títulos estão esgotados. Melhor sorte tiveram os seus colegas de coleção, A Boa Terra e Lolita, que foram reeditados pela Alfaguarra.

Desnecessário tecer loas à importância de Lolita, considerado um cânone da literatura ocidental. Quanto A Boa Terra, cuja leitura andava esquecida, é bom saber que pode ser apreciada pela atual geração de leitores.

O livro é um empolgante retrato de uma China rural, marcado por profundos abismos sociais e tradições milenares, onde o respeito aos deuses e antepassados convive com a venda das filhas como escravas.  Uma China onde as intempéries climáticas provocam grandes catástrofes naturais e destroem sonhos e planos.

A autora tinha apenas três meses de idade quando seus pais missionários americanos a levaram para a China. Aos dezessete anos retornou aos EUA para concluir os estudos.  Mas sua identificação cultural era outra e, assim que foi possível, regressou ao país que tanto amava.

No entanto, a situação política na China deteriorava-se rapidamente. Quando eclodiu a Guerra Civil as diferentes facções concordavam apenas em uma coisa: os estrangeiros eram o grande inimigo. Por ser americana, Pearl Buck foi forçada a deixar o país e nunca mais teve permissão para voltar.

Imagino que a Boa Terra tenha sido a forma encontrada para mitigar as saudades e eternizar um modo de vida que ela compreendia e respeitava.

A sua paixão foi recompensada pois, além de conquistar um grande sucesso de público, o livro foi agraciado em 1932 com o prêmio Pulitzer. Seis anos mais tarde, Pearl Buck receberia o prêmio Nobel da Literatura.

A obra de Pearl Buck é uma janela reveladora da alma e dos costumes do povo chinês. Uma China que não existe mais, mas sempre fascinante e merecedora de ser lembrada.

 

  • A Boa Terra

Pearl Buck

Editora Alfaguara

R$ 54,90

E-book R$ 29,90

 

A Casa Redonda

A casa redondaQuando terminei a leitura de A Casa Redonda me perguntei se daria este livro de presente ou o recomendaria a algum cliente, caso ainda trabalhasse numa livraria. Fiquei indecisa.

Quero dizer então que não gostei do livro? Também não é isso. Mas foi uma leitura intercalada por  momentos de entusiamo com outros de descontentamento.

A história gira em torno de um crime brutal ocorrido numa reserva indígena norte americana, no final dos anos 80.

O narrador é um garoto de 13 anos, filho da vítima. O pai é o juiz da tribo, e apesar de não contar com a cooperação da mulher, quando finalmente descobre quem é o culpado, fica de mãos amarradas por questões legais. A mãe não tem como afirmar com segurança onde o crime foi cometido, e esse detalhe burocrático permite que o agressor continue circulando impunemente.

A Casa Redonda não é para açodados. Há que apreciar a descrição das tradições indígenas; a preocupação amorosa do pai em relação ao filho, para que este não se contamine com a crueza do mundo adulto; e o altruísmo da amizade incondicional que só é possível quando se é jovem.

Gostei da maioria dos personagens, mas muitas histórias paralelas se estenderam desnecessáriamente, acabando por se diluir na narrativa e perdendo a força inicial.

Será que fui rigorosa demais ou, quem sabe, li A Casa Redonda no momento errado?

De vez em quando esse tipo de percalço acontece, nem sempre acerto na escolha do que estou com vontade de ler no momento.

Meu veredicto final? Gostei, mas não empolgou.

A Casa Redonda, de Louise Erdrich, foi o grande vencedor do prestigiado prêmio literário norte americano National Book Award de 2012.

 

  • A Casa Redonda

Louise Erdrich

(2014)

R$ 36,90

E-Book R$ 23,66

Entradas Mais Antigas Anteriores

%d blogueiros gostam disto: