Arrancar as raízes

Li os três livros em sequência: primeiro Kindred, depois Minha História e por último Cadernos de memórias coloniais. Só bem no final é que me dei conta do vinculo que os unia. De estilos e abordagens bem diferentes, todos foram escritos por mulheres, e se não discorrem abertamente sobre os horrores e as consequências da escravidão tocam no tema, quer ela tenha ocorrido em tempos passados ou mais recentes.

Kindred – Laços de sangue foi escrito por Octavia E. Butler, considerada uma das grandes damas da ficção científica norte-americana. Sua literatura apresenta personagens femininos fortes, como a protagonista principal de Kindred. O livro conta a história de Dana – esse é seu nome – que ao mudar-se para um novo apartamento com o marido, inexplicavelmente é transportada de 1976 para o século XIX.  A viagem no tempo a coloca numa situação muito perigosa porque ela é negra e vai parar numa fazenda sulista americana onde se torna escrava.

A minha impressão é de que Kindred – laços de sangue foi escrito para um público jovem. A narrativa mostra que o racismo se aprende pelo exemplo, e que se não for combatido passará de uma geração para outra como um comportamento natural e justificável.

A segunda leitura foi Minha História de Michelle Obama. Preciso admitir que logo no início – ainda no prefácio – fiquei encantada com a franqueza e a escrita desenvolta da autora. Apesar dos avanços, duramente conquistados pelos afro-americanos, os estereótipos entranhados por uma sociedade escravocrata persistem.

“Era impossível ser uma estudante negra de uma faculdade de maioria branca e não sentir a sombra da ação afirmativa. Eu quase conseguia ver o escrutínio no olhar de certos estudante e até de certos professores como se quisessem dizer: Eu sei por que você está aqui.”

Ou quando durante a campanha do marido, Michelle se questionou se o país estaria preparado para eleger um presidente negro. Durante os oito anos em que morou na Casa Branca ela sabia que era julgada com mais rigor do que as predecessoras. Como se esperassem que, a qualquer momento, ela fizesse uma besteira para legitimar o preconceito.

O último livro, Cadernos de memórias coloniais de Isabela Figueiredo, tocou-me fundo. Apesar de não ser uma retornada, sou da mesma geração que a escritora. Se não nasci numa província ultramarina (nome dado às colônias), cresci ouvindo comentários degradantes sobre a população nativa.

A autora recorda o passado idílico vivido pelos colonos portugueses às custas de um povo que só conceitualmente não podia ser descrito como escravizado. Pela pouca idade que tinha na época, essa conta não lhe pode ser cobrada.

Os adultos com o passar do tempo procuram justificativas para as próprias atitudes, as crianças não. O entendimento do que é certo ou errado ainda não se esmaeceu com subterfúgios atenuantes. É sofrido acompanhar a divisão interna sentida pela autora, em relação ao próprio pai. Se por um lado não compactuava com o pensamento dele, por outro amava-o profundamente.

O livro é brutal e verdadeiro. Muitos leitores se queixaram que Isabel exagerou nas tintas. Não é essa a minha opinião. Mesmo sem ter estado lá, reconheço que essa ideologia respingou em mim e desde sempre esforço-me para que ela não contamine as minhas atitudes ou pensamentos.

Kindred, Minha História e Cadernos de memórias coloniais espoem as diversas faces do racismo, e reforçam a necessidade de continuar arrancando as  raízes desse mal  profundamente entranhado na nossa sociedade.

 

Palmeiras na Neve

Palmeiras-na-NeveUma amiga, recém-chegada de Portugal, trouxe-me de presente Palmeiras na Neve. Escrito pela espanhola Luz Gabás, o livro fez muito sucesso por lá, mas ainda não foi editado no Brasil. Espero que não demore muito, pois trata-se de um romance com uma pesquisa histórica bem feita, que vale a pena ser lido.

A  ambientação de Palmeiras na Neve lembra a de Equador, livro do jornalista português Miguel Sousa Tavares, que li há 10 anos.  Os dois romances transcorrem em ilhas diferentes – ambas localizadas no Golfo da Guiné – onde os colonizadores europeus sofrem com o clima inclemente das regiões equatoriais, e suas vidas giram em torno da produção, colheita e comercialização do cacau.

A história de Equador se passa no início do século XX quando as colônias portuguesas ainda exploravam a mão de obra escrava – mesmo que de forma dissimulada. Por sua vez, a narrativa de Palmeiras na Neve começa quase cinquenta anos depois, com os espanhóis trabalhando lado a lado dos nativos sem, no entanto, deixarem de ser e ter os privilégios de autênticos colonizadores.

As semelhanças entre os dois livros terminam aí. A trama de Luz Gabás oscila entre o passado e o presente; entre um pequeno vilarejo incrustado na encosta espanhola dos Pirineus – onde os invernos são longos e rigorosos – e a luxuriante ilha de Fernando Pó.

(como fato curioso, para os futuros leitores brasileiros, é interessante saber que os portugueses administraram a ilha até 1777,  quando a cederam à Espanha em troca da ilha de Santa Catarina no sul do Brasil)

Ao remexer em papéis antigos, Clarence – filha e sobrinha de dois irmãos que, em busca de trabalho, trocaram as neves da terra natal pelas palmeiras exuberantes da África – encontra uma carta “diferente”. Uma carta que não se encaixa entre as outras que eles enviaram, durante anos, narrando o cotidiano da fazenda de cacau onde viviam.

Essa carta revela a existência de uma mulher que juntamente com filhos foi deixada para trás, quando o pai e o tio foram forçados a abandonar a ilha, por causa dos conflitos deflagrados durante o processo de independência da ilha. Um segredo que os uniu por várias décadas, e sobre o qual se recusam a falar.

Curiosa, Clarence decide descobrir a verdade, e viaja para Bioko (antiga ilha Fernando Pó) procurando encontrar as pessoas que os conheceram e os lugares por onde andaram.

À medida que a leitura avança percebe-se que o segredo é bem mais terrível do que ela havia imaginado. Como uma raiz que cresce e se desenrola rapidamente, a verdade termina por chegar até ao presente, e com força para destruir as pessoas que Clarence mais ama.

Palmeiras na Neve é um romanção de leitura fácil, que tem um pouco de tudo: história, amor, paixão, segredos, violência… Enfim, um livro para se prestar atenção quando chegar  às nossas livrarias.

%d blogueiros gostam disto: