A uruguaia

Levei dois livros para a pousada onde me refugiei durante o Carnaval: Firmin e A Uruguaia. Achei que fosse suficiente, mas, mais cedo do que esperava, acabei com os dois. Antes que a abstinência por falta de leitura se abatesse sobre mim, decidi reler o segundo. Foi uma escolha acertada, porque certas nuances que haviam escapado inicialmente, puderam ser melhor apreciadas.

Escrito pelo argentino Pedro Mairal, A Uruguaia conta a história de um escritor com quarenta e poucos anos, em plena crise existencial. Seus problemas são de toda a ordem: bloqueio criativo, falta de dinheiro, dependência financeira da mulher, que, por vez, resulta no desgaste do casamento.

Tentando fugir dessa realidade enfadonha, Lucas Pereyra sonha em se  envolver com a jovem que conheceu num balneário, do outro lado do rio da Prata, durante um festival literário. A partir  daí, eles começam a trocar mensagens pela internet.

A possibilidade de concretizar essa fantasia torna-se viável quando ele precisa viajar ao país vizinho para receber o adiantamento dos direitos autorais de uns livros que ainda terá que escrever. No Uruguai as transações financeiras podem ser feitas em dólares e as taxas são bem mais amigáveis do que na Argentina.

Lucas Pereyra aproveita a ocasião para marcar um encontro com a garota que não vê há um ano.

Infelizmente, nada corre como planejado. Uma sucessão de trapalhadas acaba por transformar a viagem, de apenas um dia, em um pesadelo de consequências  inimagináveis.

A Uruguaia retrata com fina ironia os dilemas de uma geração que se imaginou alçando o céu e a glória, e se vê enredada nas dificuldades de um cotidiano banal. Não me surpreenderia se escutasse essa história sendo contada numa mesa de bar, diante de uma garrafa de uísque quase vazia.

 

  • A Uruguaia

Pedro Mairal

Editora Todavia

R$ 44,90

Ó dúvida cruel, por qual começar?!

Entrei de pés e cabeça na campanha “Neste Natal dê um livro de presente”. Não só ofereci vários, como também já recebi MUITOS que se juntaram aos que ganhei de aniversário. Espero ter acertado no gosto de quem vou presentear ( garanto que escolhi com o maior cuidado),  mas os que eu recebo são sempre do meu agrado, porque fui eu mesma que os escolhi.

Os primeiros presentes foram Velhos são os outros da Andrea Pachá; um livro infantil que de tão sensível faz jus ao nome: Emocionário  ; e a autobiografia da Michelle Obama. Pelo correio chegou Como se encontrar na escrita da Anna Holanda.

Poucos dias depois recebi uma caixa com cinco livros, presente conjunto das amigas que fiz quando morei em Salvador. Esse presente comunitário tornou-se uma tradição natalina, assim como as rabanadas que como uma única vez ao ano. Mesmo sabendo o que contém, abro-a sempre com certa ansiedade, porque não sei quais são os livros que irei receber. Eles fazem parte de uma lista que enviei previamente, mas quais são os que se encaixam no orçamento das minhas amigas ou se encontram disponíveis na livraria on-line, é uma incógnita

Como já comentei num post anterior, este ano tive interesse em ler mais escritores portugueses contemporâneos. Por essa razão ganhei Perguntem a Sarah Gross de João Pinto Coelho e Caderno de Memórias Coloniais de Isabela Figueiredo.

Por sugestão de um blogueiro pedi e recebi a caprichada edição com capa dura e fitinha vermelha de Kindred, escrito pela norte-americana Octavia E. Butler, considerada a Grande Dama da ficção científica. Não é meu estilo, mas gosto de sair da minha zona de conforto.

A primeira vez que ouvi falar n’A Uruguaia foi numa conversa que entreouvi entre um livreiro e uma cliente. Eles falavam com tanto entusiasmo sobre o livro que atiçaram a minha curiosidade.

Além de blogs de leitura, também sigo alguns instagrams que falam especificamente sobre literatura infantil. Foi através do @blogeraoutravez que me interessei por Escrito e Desenhado por Enriqueta. Gente, que livro mais fofo é esse! Parabéns ao autor Liniers e à editora Vergara & Riba que o publicou no Brasil. Super indico para maiores de seis anos – crianças que gostam de desenhar e estão começando a ler e escrever – até …. aí o céu é o limite! O que importa é gostar de livros ilustrados e criativos.

Por último, minha irmã que fugiu do frio europeu, trouxe-me Para onde vão os guarda-chuvas do escritor português Afonso Cruz. O livro foi-me indicado pela minha amiga de infância Isabel O., que assim como eu é leitora compulsiva.

Meu problema agora é escolher qual ler primeiro. Ó dúvida cruel!

%d blogueiros gostam disto: