Arroz, feijão, crimes e farofa e/ou O banquete das hienas

Bia Onofre é uma escritora paulista que merece ser conhecida. Gostei do seu primeiro livro, Restos de Nós (premiado pela Fundação Biblioteca Nacional), e agora ela se superou. A temática de “Arroz, feijão, crimes e farofa e O banquete das hienas” é bem diferente  do livro anterior. Se Restos de Nós era um romance histórico e transcorria entre duas épocas cronologicamente distintas, este é bem atual e espirra sangue para todos os lados.

Na verdade são dois títulos reunidos no mesmo volume. O primeiro engloba vinte contos, ao mesmo tempo, brutais e belos. Estranho não? Como é possível encontrar beleza naquilo que é abjeto ou cruel? Pois a escritora consegue essa proeza. A linguagem literária é limpa, quaisquer excessos e penduricalhos foram eliminados, e a violência é descrita no osso. Os horrores são viciantes, difíceis de serem esquecidos.

Segundo Bia Onofre, as histórias são ficcionais, mas para o leitor instala-se a dúvida.  Cometidos por pessoas comuns, iguais aquelas com quem esbarramos todos os dias, passamos a olhar para os vizinhos com mais cuidado. Será que esse rapaz tão simpático esconde alguma coisa, e o gerente de banco, e o menino de rua?  Quantas maldades perambulam por aí que nem desconfiamos?

A segunda parte do título, O banquete das hienas, reúne mini e nano contos. A temática é a mesma. Só que, desta vez, alguns explicitam aquilo que pensamos ou gostaríamos de verbalizar e realizar… caso fossemos psicopatas.

 

“Tentei explicar que o problema era no hardware, mas ele não me ouviu. Culpa do Windows, alegou. Foi fechando os programas, precisava formatar.

Não me perguntou se eu tinha back-up. Arremessei lá de cima. Pela única janela que o analista havia deixado aberta.”

 

Raphael Montes que se cuide. Bia Onofre chegou com vontade de dividir com ele o espaço dedicado às histórias de crime e horror.

 

  • Arroz, feijão, crimes e farofa e/ou O banquete das hienas

Bia Onofre (biaonofre@hotmail.com)

Giostri Editora

R$ 30,00

O Menino Enrolado, de Paula Piano Simões

1 Pedra no Caminho

Há algum tempo, recomendei um post da Paula, do Fagulha de Ideias, em que ela comenta sobre como foi escrever seu livro “O Menino Enrolado”. Um dos meus sonhos distantes é escrever um livro infantil e adorei saber como surgiu a ideia, pois este é um dos meus maiores problemas: pensar em algo que realmente valha uma boa história. A parte legal disso tudo é que a Paula me enviou um exemplar de “O Menino Enrolado”!

menino enrolado livro infantil Alguém mais ama corujas? Achei que combinariam o senso infantil com a sabedoria.

Quando terminei de ler o livro, lembrei-me de uma vez em que eu estava em um ponto de ônibus e havia duas senhoras conversando ao lado. Uma delas falava sobre como fazer com que marido e filhos cooperassem em casa e tudo mais, e disse algo que ficou muito gravado em mim: “nessa vida, para tudo, a gente precisa…

Ver o post original 620 mais palavras

Cinco músicas para gostar do Bob Dylan

1 Pedra no Caminho

bob dylan músicas gostar conhecer

Hoje finalmente saiu o ganhador do Prêmio Nobel de Literatura e o resultado foi surpreendente: Bob Dylan. Ele tornou-se a única pessoa a receber os prêmiosNobel, Pulitzer, Oscar, Grammy e Globo de Ouro. Comecei a pesquisarse havia livros dele queeu não conhecia, lembrando do post sobre o Leonard Cohen, que tem umvasto trabalho com poesia. No entanto, parece que o prêmio vem do reconhecimento pelas letras das canções mesmo, como mencionou a secretária da Academia Sueca Sara Danius, ao explicar a motivação do prêmio:”por criar novas expressões poéticas dentro da grande tradição da música americana” (fonte).

Gostei bastante da matéria do G1, que traz os discos e os livros publicados por Dylan, assim como os títulos traduzidos para o português:”Tarântula”, publicado em 1986 pela editora Brasiliense; “Crônicas – Vol.1”, publicado em 2005 pela Planeta; “Forever young”, publicado em 2009 pela Martins Fontes; e “O homem deu nome…

Ver o post original 1.123 mais palavras

Que livraço!

Qual foi o ultimo LIVRAÇO que leu?

Falando em Literatura...

Estou lendo “Um cão uivando para a lua”, de Antônio Torres, e não existe palavra para qualificar essa obra rapidamente, a não ser uma que ainda não está no dicionário: “livraço”. Então acabei de criar a campanha para que a palavra #livraço entre no dicionário. Copie e cole a imagem abaixo no seu Facebook, Twitter, blog, Instagram, na testa, aonde você quiser…hahaha…Vamos brincar? Porque todo livro muito bom merece um superlativo à altura!

356721-admin

 #livraço  #livraço   #livraço

Ver o post original

Entradas Mais Antigas Anteriores

%d blogueiros gostam disto: