Uma tarde com Márcio Vassallo

Recentemente participei de um encontro com o jornalista e escritor de livros infantis, Márcio Vassallo.

Cheguei um pouco atrasada, mas, mesmo assim, consegui um lugar ao lado de Márcia Cristina Silva. Conheci a escritora ano passado, quando participei do curso que ela deu no Instituto Estação das Letras, sobre como Produzir seu Livro de Literatura Infantil e Juvenil. Gostei tanto que já estou inscrita na próxima turma que começa em março.

Custei um pouco a me ligar no que Márcio dizia (culpo o copo de vinho que bebi a mais no almoço), mas à medida que escutava as histórias que ele vivenciou com o filho, fui me envolvendo.

A primeira aconteceu quando o menino, ainda pequeno, o acordava bem cedo para que ele o visse brincar. Na verdade, o filho brincava sózinho, mas precisava de uma plateia. Afinal de que adianta criar algo se não se tem a quem mostrar? Naquele momento o pai era o leitor da história imaginada pela criança.

Na hora bateu um sentimento de culpa porque me lembrei das vezes em que, por impaciência, não dei bola às invenções dos meus filhos. Prometi, a mim mesma, me redimir quando os netos chegarem.

Márcio enfatizou a necessidade de exercitarmos a imaginação, de prestar atenção ao que acontece à nossa volta, e dar novos significados à realidade.

Imaginação é uma grande desobediência.

Ele frisou a palavra REPARAR várias vezes. Reparar significando consertar, observar e parar para descobrir o que não é óbvio.

Márcio deu alguns exemplos de como alimenta a criatividade. Sempre que pode, discretamente,  presta atenção às conversas de estranhos. Frases soltas são as favoritas. De posse desses fragmentos ele imagina novos desfechos, diferentes daqueles que jamais conhecerá.

Ou, quando ao passar por um sujeito que vendia umas bonecas de plástico muito sem graça em Copacabana , sugeriu que a frase no cartaz fosse trocada. Em vez de anunciar simplesmente o preço da mercadoria, por  que não dizer: “Faça uma boneca feliz, dê uma criança para ela”. Essa alteração foi suficiente para Márcio constatar que, enquanto esteve no banco, o ambulante conseguiu vender três bonecas.

De outra vez, ele e o filho entraram num táxi. No início permaneceram em silêncio. De repente, o filho num tom de voz baixo, mas alto o suficiente para ser ouvido pelo motorista falou: Pai volta para o Roberto!

Ao ouvir tal comentário o motorista ficou surpreso mas não esboçou qualquer emoção. Pai e filho prosseguiram alimentando a história absurda. Ao chegarem ao destino, Márcio pediu ao filho que gesticulasse, fingindo que o assunto não terminara. Discretamente olharam para trás e viram o motorista embasbacado, acompanhando de longe o desfecho da conversa. Quando o táxi finalmente partiu, ambos riram imaginando o que ele diria mais tarde, ao se encontrar com os amigos numa roda de bar ou então à mulher na hora de dormir.

Enquanto Márcio contava essas histórias, em momento algum percebi qualquer traço de deboche. Na verdade, era como se ele o filho tivessem feito um acordo para colocar um pouco de humor e fantasia no cotidiano de desconhecidos. Simples assim.

Se Márcio criou histórias vividas em táxis, outras tantas aconteceram dentro de aeroportos e aviões. A mais engraçada ocorreu há muito anos, numa de suas inúmeras viagens para divulgar o seu trabalho.

Ao passar a bagagem de mão pelo raio X, o segurança pediu que ele a abrisse porque detectara um objeto estranho. Sendo um agente federal, ele vestia terno escuro e tinha um porte intimidante. O artefato que chamara atenção era uma lamparina de aspecto antigo. Com todo o cuidado o segurança pegou na lamparina e perguntou: é a do Aladim? Surpreso, Márcio respondeu que sim.

– Posso fazer um pedido?

Sem saber se ele brincava ou falava a sério, Márcio concordou. O agente concentrou-se por alguns segundos e depois, calçado com luvas de borracha, desajeitadamente esfregou a lamparina. Ao terminar, encabulado, devolveu-a.

Márcio ficou tocado pela criança que se escondida dentro daquele grandalhão. Durante muito tempo viajou com a lamparina dentro da mala de mão, curioso para descobrir se outros funcionários trocariam a sisudez por breves momentos de encantamento. Infelizmente isso nunca mais aconteceu.

De história em história, as horas passaram voando. Quando dei por mim estava batendo palmas porque o encontro terminara. Saí de lá não só com um sorriso no rosto, mas também com um outro olhar, brilhante e curioso.

Obrigada, Márcio Vassalo. Até o próximo encontro.

 

Alguns livros que Márcio Vassallo apresentou no evento:

  • De filho para pai – Abacatte Editorial
  • Da minha praia até o Japão – Global Editora

 

Donana e Titonho

Durou pouco mais de duas horas a tempestade que desabou sobre o Rio de Janeiro, na última noite de quarta-feira (06/02/19). Ventos a 100 km por hora e chuvas torrenciais derrubaram postes de eletricidade deixando diversos pontos da cidade às escuras. Como se tivessem sido arrancadas pela mão de um gigante enfurecido, árvores que aparentavam robustez expunham na manhã seguinte raízes desnudadas. A chuva arrastou carros largando-os submersos a metros de distância. Toneladas de lixo foram jogadas nas ruas e nas praias. A lama deslizou pelas encostas, soterrando casas e um ônibus. Sete pessoas morreram.

Ao acompanhar as notícias da tragédia foi impossível não lembrar de Donana e Titonho, personagens do livro de Ninfa Parreiras, ilustrado por André Neves.

De forma poética, a autora narra a história de um casal de catadores de lixo que construiu uma vida sem alicerces e sonhos pequeninos.

 

Tonho conheceu Nana

Entre escombros

Duma casa caída

O moço cavava a terra

A moça desenrolava fios

Juntos montaram um canto.

Com peças que descobriam.

Casaram e se mudaram

Cataram e juntaram os dias.

 

Era noite escura quando a chuva traiçoeira os pegou de surpresa.

 

Com a enxurrada que escorria

Descia lama

Água barrenta

Tramas

Trincas

Trancos

Pedra

Tronco

Parafuso

 

Donana e Titonho perderam o pouco que tinham, assim como famílias de carne e osso que moravam no alto da Rocinha.

Fechei o livro com o coração aflito. Como era possível ter gostado tanto de uma história tão triste? Seria tão bom se ela não precisasse ser  contada!

Felizmente Ninfa Parreiras não está anestesiada para o sofrimento alheio. Seu Donana e Titonho é um brado contra a indiferença, que transforma vidas humanas em números. Estatísticas fatais que poderiam ser evitadas. Basta de tanta omissão e descaso!

 

  • Donana e Titonho

Ninfa Parreiras e André Neves

Editora Paulinas

R$ 32,50

Mergulho na Escrita com Silvia Carvão

Comecei 2019 animada, com vontade de escrever mais, muito mais. Por essa razão, inscrevi-me na primeira oficina do ano no Instituto Estação das Letras : Mergulho na Escrita, ministrada pela Silvia  Carvão.

O grupo de participantes era pequeno. Talvez porque os encontros aconteceram no turno da manhã ou porque muita gente ainda estava de férias. Para nós, isso foi ótimo porque a interação aconteceu mais rapidamente. Durante cinco manhãs consecutivas as preocupações do cotidiano nem chegaram a arranhar a bolha de encantamento que Silvia preparou para nós.

Ouvimos canções de artistas brasileiros (não direi quais para não estragar a surpresa de futuros participantes, apesar de ter certeza que Silvia renova o seu repertório a cada oficina), brincamos com os nossos nomes próprios, relembramos cenas da infância, criamos personagens, inventamos histórias e fizemos uma infinidade de outras atividades.

Graças ao jeito acolhedor de Silvia, minhas colegas e eu escrevíamos velozmente sem nos preocuparmos com certo ou errado. As ideias simplesmente brotavam no papel. Entre uma atividade e outra, Silvia lia para nós.

Numa tarde, depois de um dia do curso, fui visitar uma amiga que se encontrava hospitalizada. Faltava pouco para ser operada , mas além de estar amedrontada, o tempo que restava para a realização do procedimento custava-lhe a passar. Tentei distraí-la sem muito sucesso. Não sabia mais o que dizer quando lembrei dos textos que escutara de manhã.

Li um, dois e um terceiro que, por fim, a fez sorrir. Logo chegaram os enfermeiros.

Como era previsto, tudo correu bem. Dias depois voltei a visitá-la. Bem disposta e com o semblante tranquilo, minha amiga pediu: Paula, conte de novo a história do diabinho.

E foi o que eu fiz.

Aconteceu às quatro da tarde, em plena luz do dia. O menino estava lá, espichado como um gato, na rede em seu quarto. Caderno e lápis na mão. Balançando suavemente, estava inventando uma história, quando viu pela janela o diabo pulando o portão de sua casa.

Estremeceu. Seus pais haviam saído para fazer compras e sua irmã ainda não voltara da escola.

O diabo veio caminhando pelo jardim, em direção à porta, pisoteando as margaridas que se insinuavam ao vento. Na hora o menino pensou que o diabo, com seus poderes demoníacos ia atravessar as paredes, mas ele simplesmente deu um sopro diabólico e seu bafo insuportável derreteu a porta instantaneamente. Depois, ao chegar no quarto e ver o menino apavorado na rede, deu um sorrisinho perverso e , exalando seu mau cheiro infernal, disse diabolicamente:

– Vim te pegar, garoto. Vou te levar pro inferno.

Mas aí inesperadamente, o menino perdeu o medo. Espichou-se então pela rede, todo belo e formoso, sem dar a mínima pro diabo.

– Você não pode me pegar – o menino disse.

-Posso – reagiu o diabo avançando com a sua cara de mau.

O menino retrucou:

– Não pode!

O diabo ficou mais endiabrado ainda e esbravejou:

– Por que não?

– Porque eu posso parar de escrever – disse o menino.

E parou.

(Carrascoza, João Anzanello. Nova Escola, Abril de 1991)

 

Em silêncio, agradeci a Silvia que, sem saber, transformou histórias num santo remédio.

Velhos são os outros!

O título do mais recente livro de Andréa Pachá, Velhos são os outros, remeteu-me ao de um outro livro: Precisamos falar sobre Kevin. Eles não têm absolutamente nada em comum. Nada, nadinha mesmo. Mas o “precisamos falar sobre…” ficou zunindo na minha cabeça. Precisamos falar sobre a velhice, e com urgência!

O assunto costuma ser jogado para debaixo do tapete, como se o silêncio nos mantivesse jovens para sempre. Verdade seja dita, que graças aos avanços da medicina, morre-se cada vez mais tarde. Até recentemente era raro ter na família um parente com mais de oitenta anos, quanto mais dois ou três! Antes a velhice se escondia, hoje está aí, digna e visível para quem quiser ver.

Lembro de ficar surpresa quando, há uns trinta anos, presenciei uma senhora estrangeira fazer turismo numa cadeira de rodas. Ela entrava e saía da van, ajudada pelo marido, com a maior naturalidade. Para mim esse comportamento era uma novidade. Estava habituada com idosos trancados em casa,  envergonhados de expor publicamente as suas limitações locomotoras. Felizmente isso mudou. Recentemente, vi uma velhinha conduzindo lépida e fagueira a sua cadeira de rodas motorizada, numa calçada movimentada de Ipanema.

Mas divago. Apesar de ser desse jeito desembaraçado que pretendo encarar no futuro a minha velhice, infelizmente, isso nem sempre acontece, de acordo com a juíza Andréa Pachá. O título do livro foi pinçado de uma conversa que teve com a mãe, quando lhe perguntou quando ela se havia percebido velha. Do alto dos seus longevos 77 anos a mãe respondeu: Velha, eu? Velhos são os outros!

A escritora é juíza há 24 anos e, inicialmente, trabalhou numa Vara de Família. Os embates que presenciou e julgou viraram as emocionantes histórias reunidas no livro A vida não é justa.

Atualmente, Andréa está lotada numa Vara de Sucessões. Graças ao seu olhar compassivo, consegue enxergar por trás dos processos de linguajar frio e empolado, os conflitos que eles escondem.  Ao recontar essas histórias, ela dá voz aos idosos para expressarem livremente seus desejos e necessidades.

Mas o livro também faz um alerta: Não adianta querer esconder o sol com a peneira, e fingir que a velhice só chega para os outros. É preciso aceitar com serenidade a natural ação do tempo, deixando tudo bem explicado e resolvido, para que as últimas vontades sejam respeitadas e não haja brigas  entre parentes quando não se estiver mais por aqui.

Entradas Mais Antigas Anteriores

%d blogueiros gostam disto: