Grande Magia – vida criativa sem medo

Quando me encanto por um livro costumo pensar para quem poderia indicá-lo ou oferecê-lo de presente. Alguns dos que li este ano se encaixaram nessa categoria, mas se tivesse que escolher um só, com certeza, seria o que estou terminando agora: “Grande Magia – vida criativa sem medo” de Elizabeth Gilbert.

Comecei a leitura em maio e deste então venho desfrutando-o bem devagarzinho. Com uma lapiseira sublinho uma frase ou releio um parágrafo encantada com a prosa fluente e estimulante da escritora.

Elizabeth Gilbert compartilha com o leitor a crença de que “o mundo é habitado não apenas por animais, plantas, bactérias e vírus, mas também por idéias que desejam o tempo todo se materializar”. Para que isso aconteça, elas precisam de nós os seres humanos. Como delicadas borboletas elas se aproximam e volteiam ao nosso redor. Cabe a nós capturá-las ou ignorá-las.

As idéias gostam das pessoas curiosas, que não se amedrontam com o trabalho árduo –por vezes elas são difíceis de concretizar –, e nem desanimam se não recebem o devido reconhecimento e aplauso.

A escritora enumera diversas crenças de autossabotagem, que se resumem numa simples palavra: MEDO

(…) medo de não ter nenhum talento, medo de ser rejeitado, incompreendido, ignorado, de não ter a disciplina necessária, de magoar a família, de ser considerado um mercenário, um narcisista, de estar velho demais para começar, de ser jovem demais para começar, de só ter um sucesso, de não ter nenhum. (…)

Os medos sufocam a criatividade e afugentam as idéias. Em determinações situações eles nos protegem do perigo, mas quando se está falando de criatividade são totalmente contraproducentes.

De maneira descontraída “Grande Magia” oferece uma bonita reflexão de como é  importante permitir que nossos talentos ocultos se manifestem. Mesmo não sendo inovadores ou geniais, eles são o que temos de mais precioso, porque além de serem únicos, ao se realizarem dão alegria e sentido às nossas vidas.

 

  • Grande Magia – vida criativa sem medo

Elizabeth Gilbert

Editora Objetiva

R$29,90

Allegro ma non troppo

Será que ao terminar a leitura de Allegro ma non troppo os leitores fizeram o mesmo que eu e procuraram curiosos pelo concerto para violino de Dvorák?

Eu já apreciava o trabalho da escritora brasiliense Paulliny Gualberto Tort, mas, por descuido, deixei que o seu primeiro romance ficasse esquecido embaixo de tantos outros que se acumulam numa pilha de crescimento interminável.

A notícia de que o livro era um dos semifinalistas ao Prêmio Literário Oceano de 2017 fez, no entanto, que o resgatasse lá do fundo e o passasse à frente dos outros.

Em Allegro ma non troppo , Paulliny narra a busca empreendida por  Daniel, um jovem violinista de 20 anos, para encontrar o irmão mais velho que sumiu por vontade própria e deixou a mãe  amargurada.

Gostei bastante da maneira como a autora incorporou  e soube exteriorizar o psicológico do principal personagem masculino. Assim como apreciei a forma como integrou as peculiaridades de Brasília e arredores ao cenário da trama. É palpável o carinho que a autora nutre por sua cidade natal.

O texto flui limpo e ágil, sem excessos, com descrições enxutas de lugares e sentimentos. Os personagens se entrelaçam de forma surpreendente, e o final do livro é original e inusitado.

Mais não digo para não estragar o prazer de quem se interessar em conhecer o trabalho de uma jovem escritora que pisa com o pé direito no cenário literário nacional.

 

  • Allegro ma non troppo

Paulliny Gualberto Tort

Editora Oito e Meio

R$ 39,90

 

A Caderneta Vermelha

A Caderneta Vermelha se enquadra na categoria de livros gostosos de ler. O fato da história se passar em Paris já conta pontos a favor. Depois, quando se tem como personagem principal o dono de uma charmosa livraria de bairro, é quase impossível errar.

Um dia, durante seu passeio matinal, Laurent é atraído por um objeto de cor lilás jogado displicentemente sobre um latão de lixo.  Ao se aproximar vê uma bolsa de couro em perfeito estado de conservação. O livreiro constata que a bolsa não está vazia. Dentro dela estão diversos objetos de uso pessoal. Supondo que a bolsa foi furtada, ele vai até a delegacia mais próxima. Entretanto, como o policial de plantão não pode atendê-lo imediatamente, ele a leva para sua casa.

Ao tentar descobrir, por conta própria, alguma informação sobre a dona da bolsa, Laurent investiga o seu conteúdo. Inicialmente constrangido, como se cometesse um ato ilícito, aos poucos ele se deixa envolver pelo universo muito particular de uma desconhecida. De dentro da bolsa ele retira os mais diversos objetos pessoais: um frasco de perfume, um saquinho com balas de alcaçuz, um livro do premiado escritor Patrick Modiano com uma dedicatória enigmática: “Para Laure, lembrança do nosso encontro sobre a chuva”, e uma caderneta Moleskine vermelha, na qual a proprietária da bolsa escreveu aleatoriamente diversos pensamentos.

Dividindo-se entre os afazeres da livraria, os ciúmes da namorada e os encontros com a filha adolescente, Laurent inicia uma busca por essa mulher misteriosa. Ele tem a impressão de conhecê-la mais intimamente do que às outras mulheres com quem conviveu até então.

A leitura de A Caderneta Vermelhade Antoine Laurain, é extremamente agradável, perfeita para quem aprecia uma história de amor cativante e inteligente.

 

  • A caderneta vermelha

Antoine Laurain

Editora Alfaguara

R$ 34,90

Na Minha Pele

Por ser emprestado, o livro de Lázaro Ramos furou a fila dos que aguardam há meses para serem lidos.

Logo nas primeiras páginas percebi a importância de Na Minha Pele e me peguei pensando que ele deveria ser leitura obrigatória – ó palavra antipática! – para os alunos do Ensino Médio.

Do mesmo jeito que um pai amoroso não consegue admitir que sua filha venha a ganhar um salário inferior ao de um colega homem apenas pelo fato de ser mulher, ou que um troglodita abuse dela fisicamente simplesmente porque ela bebeu demais numa festa, está na hora de questionarmos seriamente por que é que as oportunidades de educação escolar, profissional e ascensão social são abissalmente desiguais para possuidores de fenótipos biológicos diferentes.

Por que estranhamos quando vemos um negro sendo o cliente e não o garçom de um restaurante chique? Por que todos os meus médicos são brancos? Qual o sentido de tudo isso e como é possível continuar vivendo com antolhos sociais?

Se esse debate não faz parte de muitas famílias brasileiras, está na hora das escolas levarem para a sala de aula o livro de Lázaro Ramos. E quem sabe, num futuro do qual tomara eu faça parte, a pergunta “É bom ser negro no Brasil?”, se tornará totalmente irrelevante. Por hora, eu sei qual é a resposta.

 

  • Na Minha Pele

Lázaro Ramos

Editora Objetiva

R$ 34,90

E-Book R$ 23,90

Entradas Mais Antigas Anteriores

%d blogueiros gostam disto: