Desejo-te tempo

Moro no Brasil há muito tempo, e, como era de se esperar, as amizades que fiz na época em que estudei em Sintra esvaíram-se com o passar dos anos. No entanto, uma permaneceu. A bem da verdade, durante um longo período perdemos o rastro uma da outra, mas graças às redes sociais voltamos a nos aproximar. É uma amizade persistente: desde que saí de Portugal, só nos vimos duas vezes, sendo que a última foi há vinte anos. Mesmo assim, aproveitamos todo final de ano para pôr as novidades em dia, desejarmos, uma à outra, Boas Festas e nos parabenizarmos pelos respectivos aniversários.

Conheci a Isabel na terceira classe. Quantos anos teríamos: 8-9 anos? Ela entrou no meio do ano letivo, e como boas sagitarianas logo começamos a conversar. Descobrimos que, em comum, gostávamos muito de ler. Na época, nossa escritora favorita era Enid Blyton e sonhávamos em viver grandes aventuras. Há uns anos, Isabel apresentou-me à escritora nigeriana Chimamanda Adichie. Uma extraordinária contadora de histórias que, nos seus livros, luta pela emancipação feminina, denuncia a desvalorização da cultura africana e o preconceito racial.

Desta vez, o e-mail veio acompanhado de uma bonita poesia, perfeita para dar as boas vindas ao ano que agora se inicia. Seu autor seria o escritor português José Régio. Entretanto, ao pesquisar na internet para conhecê-lo melhor, descobri que lhe atribuem erroneamente a composição. O verdadeiro autor de Desejo-te tempo é a escritora alemã Elli Michler.

Independentemente de quem o escreveu é um belo poema. Obrigada, Isabel por, mais uma vez, me apresentares a algo que não conhecia.


“Não te desejo um presente qualquer,
Desejo-te somente aquilo que a maioria não tem.
Desejo-te tempo, para te divertires e para sorrir;
Desejo-te tempo para que os obstáculos sejam sempre superados
E muitos sucessos comemorados.
Desejo-te tempo, para planear e realizar,
Não só para ti, mas também para os outros.
Desejo-te tempo, não para ter pressa e correr,
Desejo-te tempo para te encontrares,
Desejo-te tempo, não só para passar ou vê-lo no relógio,
Tempo para te encantares e tempo para confiares em alguém.
Desejo-te tempo para tocares as estrelas,
E tempo para crescer e amadurecer.
Desejo-te tempo para aprender e acertar,
Tempo para recomeçar, se fracassares…
Desejo-te tempo, para ter novas esperanças e para amar.
Não faz mais sentido protelar.
Desejo-te tempo para ser feliz.
Para viver cada dia, cada hora como um presente.
Desejo-te tempo, tempo para a vida.
Desejo-te tempo.
Tempo.
Muito tempo!”

%d blogueiros gostam disto: