Vamos ler juntas

Não escrevo e não alimento o blogue há quase um ano. Falta-me a concentração necessária. Debaixo do chuveiro surgem ideias interessantes, e enquanto dirijo também. Mas, depois, onde encontro a serenidade para sentar – apenas por algumas horas – diante do computador? Tenho sempre outros interesses ou compromissos inadiáveis – na verdade, desculpas esfarrapadas – para não o fazer.

Felizmente, não perdi o prazer de ler, mesmo reconhecendo que a força hipnotizadora das minisséries, atrapalhou o fluxo habitual da leitura.

Gostaria de compartilhar no blogue os livros que li este ano, mas não lembro exatamente quais foram. Eles se misturaram aos que guardei na estante e aos que foram doados. Quero, no entanto, mencionar aqueles que li no grupo virtual “Vamos ler juntas?”, organizado por uma amiga de colégio.

Faço uma pausa para comentar que nunca me interessei em participar de clubes de leituras, por me considerar uma leitora solitária. Gosto de flanar pelas livrarias, “farejar” as novidades, e escolher conforme os interesses do momento. Entretanto, Celina, que me conhece muito bem, insistiu para que eu participasse e – devo admitir que fiquei curiosa – resolvi romper a minha “zona de conforto”. Afinal, seria um jeito de rever algumas colegas da adolescência que eu gostava, e não via há muito tempo, não só por conta da pandemia, mas, também, porque aos entrarmos na faculdade havíamos escolhido carreiras diferentes, e, mais tarde, mudado para outras cidades e até mesmo países.

Ana Cristina, responsável pela criação do grupo, reuniu seis amigas que haviam estudado na mesma turma do Colégio Teresiano, e uma colega da faculdade de Letras. Em comum, todas gostamos de ler.

Se a pandemia – da qual ainda não nos livramos – teve algo de bom foi mostrar que existem outras formas das pessoas se reunirem e conversarem sem precisar estar frente a frente. O primeiro encontro virtual aconteceu no dia 21 de maio e foi uma alegria. Depois de tentarmos pôr em dia as respectivas trajetórias de vidas: quem fez o quê, está morando aonde, casou, separou, se teve filhos e se já chegaram os netos, finalmente começamos a falar sobre o livro escolhido. Ah, o grupo decidiu afunilar o infinito universo de opções literárias, e escolheu ler apenas autores de língua portuguesa. Sendo que, mês sim mês não, o escritor seria brasileiro.

Começamos com O filho de mil homens de Valter Hugo Mãe, e foi um sucesso. No mês seguinte foi a vez do magistral Torto Arado do baiano Itamar Vieira Jr. Depois vieram A Visão das Plantas da escritora angolana Djaimilia Pereira (confesso que não gostei muito), Fim da Fernanda Torres (foi a vez da Lalá não gostar), Mapeador de Ausências do Mia Couto, e encerramos o ano com Amar Verbo Intransitivo de Mário de Andrade, o único escritor já falecido. Escolhemos o último livro para entrar no espírito comemorativo do centenário da Semana de Arte Moderna que vai acontecer em fevereiro do ano que vem. Para as artes brasileiras foi um grande evento porque rompeu com a ditadura do classicismo europeu, copiado até então pelos artistas nacionais.

Para o próximo ano já foram escalados, ops, escolhidos O vendedor de passados de José Eduardo Agualusa; A mulher que escreveu a Bíblia de Moacyr Scliar; Niketche – uma história da poligamia da escritora moçambicana e vencedora do prêmio Camões 2021, Paulina Chiziane; e Quarto de despejo – diário de uma favelada de Carolina Maria de Jesus.

Acredito que assim que terminarmos todos eles, o livro do escritor timorense Luís Cardoso, O plantador de Abóboras, já terá encontrado uma editora brasileira. Foi com este livro que o escritor venceu o prêmio Oceanos.

O ano termina nos próximos dias e desejo, sinceramente, retomar o Fagulha de Ideias com a animação que costumava ter. Desejo também uma outra coisa, mas essa nem preciso dizer qual é. Tenho certeza de que é a mesma de quem me lê agora.

6 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Veronica
    dez 28, 2021 @ 18:56:10

    Paula querida, Senti muita falta das suas dicas. Essas de hoje ja estão na minha lista. Um grande 2022 para vocês.

    Enviado do meu iPhone

    >

    Responder

    • fagulhadeideias
      dez 29, 2021 @ 15:43:05

      Oi Verônica, que bom que gostou das dicas do nosso grupo de leitura. Espero estar mais presente no próximo ano. Beijo

      Responder

  2. Celina
    dez 29, 2021 @ 09:09:42

    Amiga Cê emocionada com a homenagem que você fez ao nosso grupo de leitura Vamos ler Juntas, e muita gratidão pelo muito que lemos e trocamos em 2021, que venha 2022 com muitas leituras e Fagulhas também!

    Responder

  3. O Miau do Leão
    dez 29, 2021 @ 12:59:43

    Só o primeiro já li no passado.Pelos títulos parecem interessantes. Não foi um bom ano para leitura, no meu caso, e infelizmente.

    Responder

    • fagulhadeideias
      dez 29, 2021 @ 15:48:02

      O ano não foi bom para a leitura, para a escrita… Mas, na medida do possível, sou uma pessoa otimista: o ano que vem vai ser melhor para todos nós. Feliz 2022

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: