É preciso chegar mais perto

A primeira vez que ouvi falar em coleta de tampinhas plásticas foi na coluna Dois Cafés e a Conta do jornalista Mauro Ventura. A arrecadação era promovida por uma ONG que vacina e castra animais de rua. Encantei-me com o projeto e logo estava separando as tampinhas não só do meu lixo caseiro, como pedi ao porteiro que fizesse o mesmo com as dos outros moradores do prédio. Nas minhas caminhadas pela praia passei a levar uma sacola para recolher todas as que encontrava jogadas na areia.

Em conversas com amigos soube que as tampinhas também ajudavam a ABBR a comprar cadeiras de rodas para os pacientes mais necessitados. Entre apoiar animais ou seres humanos preferi os últimos.

Lamentei quando a coluna do Mauro deixou de ser publicada no jornal carioca. Ela dava visibilidade a diversos projetos socioambientais desconhecidos pela maioria dos moradores do estado. No meio de tantas notícias deprimentes era bom saber que havia pessoas que, em vez de reclamar e apontar os erros, arregaçavam as mangas e faziam algo pela comunidade onde viviam.

Tempos depois, participei de um evento mediado pelo Mauro. Tratava-se de um bato papo entre seu pai, Zuenir Ventura, e o escritor Luís Fernando Veríssimo. Como os dois são amigos de longa data imaginei que teriam muitas histórias para contar.

Mesmo sabendo da notória timidez do escritor gaúcho, não estava preparada para encontrar um entrevistado tão avesso em conversar. Um comportamento bem diferente dos Ventura, pai e filho, que eram uma simpatia.

Mauro puxava um assunto e o pai desenvolvia o tema. Mas toda a vez que tentavam incluir o Luís Fernando na conversa, este a encerrava com poucas palavras. Só não me levantei e fui embora em respeito ao mediador que se esforçava para que o evento não fosse um fiasco.

Apesar dos percalços o encontro teve um lado positivo. Ele me aproximou, de novo, dos textos de Mauro Ventura. Comecei a ler suas crônicas no Facebook e festejei quando soube que ele lançaria um novo livro até ao final do ano.

Ofereci vários exemplares de PorVentura no Natal, sendo que para uma amiga em especial o fiz com segundas intenções. Eu sabia que quando terminava de ler um livro C. passava-o adiante. Não é como eu que custo a desapegar e vivo reclamando da falta de espaço nas estantes.

Pois bem, finalmente PorVentura chegou às minhas mãos e correspondeu às minhas expectativas. As crônicas são divertidas, contundentes quando necessário, e possuem algo muito raro nos dias atuais: um olhar sensível e interessado por pessoas e situações que normalmente costumam passar desapercebidas. Mauro Ventura fez-me rir, sacudiu-me e, principalmente, incentivou-me a chegar mais perto. Porque não dá para compreender a maioria das coisas à distância. É preciso se aproximar.”*

*citação retirada do livro “Compaixão” de Bryan Stevenson

Bem-vindo à Holanda

Ao ler uma das histórias de Tudo o que é belo recordei de uma outra que ouvi no audiolivro Maybe You Should Talk To Someone*, escrito pela psicóloga Lori Gottlieb.

Neste segundo livro a autora intercala relatos das sessões em que atuava como terapeuta com outros nos quais ela era a analisada. Curioso perceber como o comportamento sereno e o raciocínio lógico, utilizados ao conversar com seus pacientes, se diluíam quando precisava examinar os próprios sentimentos.

O elo que eu fiz entre os dois relatos teve origem num texto escrito por Emily Perl Kingsley, mãe de um bebê portador da Síndrome de Down.

Apesar do depoimento que me emocionou em Tudo o que é belo falar sobre o mesmo tema, conheci o texto de Emily no outro livro, Maybe you should talk to someone. Ele foi debatido durante uma sessão terapêutica com uma jovem recém-casada, diagnosticada com um câncer agressivo e incurável.

O que podem ter em comum uma mãe com um bebê com síndrome de Down e alguém que tem pela frente poucos anos de vida? À primeira vista nada. Mas o jogo da Vida forçou-as a jogar com cartas inesperadas com as quais não sabiam jogar.

Gostei muito da metáfora encontrada no texto da Emily, Bem-vindo à Holanda. Com cuidado ela mostra que é possível encontrar beleza no caminho, mesmo quando precisamos prosseguir por um outro que não escolhemos.

Bem-vindo à Holanda**

Frequentemente sou solicitada a descrever a experiência de criar um filho portador de deficiência, para tentar ajudar as pessoas que nunca compartilharam dessa experiência única a entender, a imaginar como deve ser. É mais ou menos assim…

Quando você vai ter um bebê, é como planejar uma fabulosa viagem de férias – para a Itália. Você compra uma penca de guias de viagem e faz planos maravilhosos. O Coliseu. Davi, de Michelangelo. As gôndolas de Veneza. Você pode aprender algumas frases convenientes em italiano. É tudo muito empolgante.

Após meses de ansiosa expectativa, finalmente chega o dia. Você arruma suas malas e vai embora. Várias horas depois, o avião aterrissa. A comissária de bordo chega e diz: “Bem-vindos à Holanda”.

“Holanda?!? você diz, “Como assim, Holanda? Eu escolhi a Itália. Toda a minha vida eu tenho sonhado em ir para a Itália.”

Mas houve uma mudança no plano de voo. Eles aterrissaram na Holanda e é lá que você deve ficar.

O mais importante é que eles não te levaram para um lugar horrível, repulsivo, imundo, cheio de pestilências, inanição e doenças. É apenas um lugar diferente.

Então você deve sair e comprar novos guias de viagem. E você deve aprender todo um novo idioma. E você vai conhecer todo um novo grupo de pessoas que você nunca teria conhecido.

É apenas um lugar diferente. Tem um ritmo mais lento do que a Itália, é menos vistoso que a Itália. Mas depois de você estar lá por um tempo e respirar fundo, você olha ao redor e começa a perceber que a Holanda tem moinhos de vento, a Holanda tem tulipas, a Holanda tem até Rembrandts.

Mas todo mundo que você conhece está ocupado indo e voltando da Itália, e todos se gabam de quão maravilhosos foram os momentos que eles tiveram lá. E toda sua vida você vai dizer “Sim, era para onde eu deveria ter ido. É o que eu tinha planejado.”

E a dor que isso causa não irá embora nunca, jamais, porque a perda desse sonho é uma perda extremamente significativa.

No entanto, se você passar sua vida de luto pelo fato de não ter chegado à Itália, você nunca estará livre para aproveitar as coisas muito especiais e absolutamente fascinantes da Holanda.

 

Li ou melhor ouvi Maybe You Should Talk To Someone no final do ano passado. Posso garantir que assim que o livro for publicado no Brasil, faço questão de reler, guardar na estante e presentear os amigos.

 

* Talvez você devesse conversar com alguém

** Encontrei o texto traduzido no site Pensador.

%d blogueiros gostam disto: