Um festival necessário

Jamais esquecerei a emoção que senti ao folhear o esboço da minha primeira história devidamente ilustrada.

O que antes era apenas um sonho, um desejo, tornou-se realidade após conhecer a artista visual Flávia Bomfim.

Nosso encontro aconteceu em 2013, quando participei do 1º Festival de Ilustração e Literatura da Bahia. Flávia era a organizadora. Ela reuniu diversos artistas nacionais e estrangeiros de estilos e técnicas diferentes, que expuseram seus trabalhos e falaram sobre os respectivos processos criativos.

Ao final do evento, ainda inebriada por tudo o que tinha aprendido, tomei coragem e perguntei se ela indicaria alguém que pudesse ilustrar uma história minha. Na maior simplicidade, sem mesmo conhecer o que eu escrevia, Flávia respondeu: eu posso.

Dois anos depois aconteceu o segundo Festival de Ilustração e Literatura, e em 2017 o terceiro, agora renomeado de Festival de Ilustração e Literatura Expandido (FILExpandido).

Tive a satisfação de estar presente em todos os eventos e acompanhar o seu fortalecimento. A cada nova edição mais ilustradores consagrados pediam para participar, e  talentosos profissionais baianos ganhavam visibilidade.

Quando me mudei para o Rio de Janeiro estava convicta que o Festival encontrara um lugar definitivo no calendário cultural de Salvador. Eu estava errada.

Felizmente, como boa leonina que é, Flávia Bomfim não se deixou abater e criou um financiamento coletivo para que o 4º FILExpandido aconteça em 2020.

Acredito na importância do Festival, no seu potencial criativo e agregador. Afinal, se não fosse por ele o meu livro “A pergunta mais importante” não existiria.

Certa de que muitas outras parcerias poderão acontecer, convido todos que lerem este texto a contribuir para a realização do próximo festival.

Alguns poderão dizer: ah, mas eu não moro em Salvador… Certo, mas se der uma olhadinha nas recompensas que estão sendo oferecidas, aposto que vai mudar de ideia.

Entro em 2020 com esperança de que estarei presente no 4º FILExpandido!

 

https://www.catarse.me/filexpandido_4_fde9?project_id=106399&project_user_id&fbclid=IwAR0FOu4EAEZph8E5e9NBHhiJlgmUArsTpPYBQLLHTQmewS0KU3jNqicctcw

Tudo junto e misturado

Faço anos em dezembro e os meus presentes de aniversário se misturam aos que receberei no Natal. Durante o ano vou anotando os livros que gostaria de ler, mas que por diversas razões não me permito comprar. É muita voracidade para quem tem outros afazeres e uma verba limitada.

Dei-me ao trabalho de contar quantos títulos constam da lista, são 60 no total. Dela não fazem parte os que comprei por impulso, nem os que darei de presente de Natal e pretendo pedir para ler emprestado.

Reconheço que se trata de uma lista inatingível, mas que facilita, e muito, a vida de quem não sabe o que me oferecer. Basta me perguntar e eu apresento a lista devidamente reduzida. Afinal, não quero assustar ninguém nem ser olhada com incredulidade.

Até agora já recebi:

As verdadeiras riquezas de Kaouther Adimi, um romance francês que mistura ficção e realidade, e fala sobre um tema que eu amo: livros e livrarias. (Kaouther Adimi é uma jovem escritora de 33 anos que nasceu na Argélia e atualmente vive na França)

 

Três mulheres de Lisa Taddeo, é o relato verídico, baseado numa pesquisa que durou quase uma década, sobre a vida sexual de três mulheres comuns. Um retrato poderoso do desejo feminino e como as escolhas subverteram ambientes familiares e sociais.

 

Torto Arado, do escritor baiano Itamar Vieira Junior, recebeu o Prêmio Leya de 2018. O livro acompanha as diferentes trajetórias de vida de duas irmãs, que nasceram num Brasil rural onde persiste enraizado um viver escravocrata.

A ridícula ideia de nunca mais te ver foi escrito por Rosa Montero como forma de purgar a dor após a morte do marido. Nele, é feito um paralelo com o diário de Marie Curie, no qual a cientista escreveu sobre a mesma experiência, a perda de quem se ama.

A criança no tempo de Ian McEwan é sobre o maior medo que pode passar pela cabeça de qualquer pai: o sumiço de um filho. Tenho certeza que o tema dificílimo será destrinchado com maestria por um autor que, na minha opinião, já merecia ter recebido o prêmio Nobel da Literatura.

 

Tudo que é belo: quarenta e cinco histórias reais, foi publicado pela editora Todavia e reúne histórias que foram contadas em público. Não contos de fadas ou de folclore, mas histórias verídicas que aconteceram a pessoas comuns e narradas por elas mesmas.

Sorrio satisfeita para os livros que recebi. Tenho leitura garantida para os próximos meses. Mas que livro é esse que parece bastante interessante? Trata-se Heimat, um romance gráfico, best-seller na Alemanha e vencedor do National Book Critics Circle na categoria autobiografia. Pronto, dei início à lista de 2020!

Meu presente favorito

Dizem que só sabemos dar aquilo que gostamos de receber. Se o que eu mais aprecio são livros, fica fácil adivinhar o que oferecerei aos amigos e familiares neste Natal.

Apesar de a lista ser variada dois títulos se destacam como favoritos. O primeiro é o último livro do Ruy Castro, “Metrópole à Beira-mar: o Rio moderno dos anos 20”; o segundo é “PorVentura: encontros, encantos e outras inquietações” do jornalista Mauro Ventura.

À primeira vista, o tema do livro do Ruy Castro pode parecer um tanto ou quanto desinteressante – afinal, sempre ouvi dizer que os anos mais glamourosos da cidade foram aqueles compreendidos entre a década de cinquenta e o início dos anos sessenta -, mas quem já leu alguma coisa do escritor sabe que ele consegue transformar a pesquisa mais entediante em um texto coloquial delicioso.

Ele me conquistou quando, há alguns anos, li a biografia sobre Garrincha. Eu que só assisto futebol durante a Copa do Mundo e não torço pelo Botafogo, simplesmente amei o livro “Estrela Solitária”.

O outro livro-presente é do jornalista, Mauro Ventura, cujo trabalho admiro e acompanho desde quando ele escrevia no jornal o Globo: “Dois cafés e a conta”.

A sua coluna semanal era uma lufada de alto-astral no meio de tantas notícias deprimentes. Mauro dava visibilidade às boas iniciativas de solidariedade, promovidas por pessoas comuns ou organizações sociais. Ele incentivava o leitor a arregaçar as mangas e fazer alguma coisa. Infelizmente, depois de onze anos, a coluna deixou de ser publicada.

No entanto, continuei acompanhando as suas crônicas nas redes sociais. No novo livro, “PorVentura: encontros, encantos e outras inquietações” foram recuperados textos antigos e incluídos outros mais recentes. Suas crônicas agregam leveza e sensibilidade ao retratarem os contrastes do Rio de Janeiro.

Só agora, ao escrever este post, reparei que ambos os livros falam sobre a mesma cidade. Coincidência? Talvez, mas como explicar que vou me oferecer de presente o livro “Saboreando o Rio” da Mariana D. Vidal? Só tem uma explicação: Definitivamente eu sou apaixonada por esta cidade.

 

%d blogueiros gostam disto: