A glória e seu cortejo de horrores

Não cheguei a fazer o mesmo que o escritor Reinaldo Moraes que, ao terminar de ler o ultimo romance da Fernanda Torres, de tão empolgado que ficou, o leu de novo. Mesmo assim posso afirmar que gostei muito de “A glória e seu cortejo de horrores”.

Conforme já tinha feito em “Fim” – quando retratou a vida de cinco amigos moradores de Copacabana – a escritora deu voz a um personagem masculino já avançado nos anos. Desta vez, o ancião nasceu e foi criado na Tijuca, de onde “fugiu” assim que iniciou a carreira artística de ator.

É o próprio artista quem conta a epopeia, desde os tempos em que se apresentou em povoados no interior da Bahia – para conscientizar as massas populares -, aos anos gloriosos de galã de novelas e ator teatral de sucesso, até o retumbante fiasco como protagonista principal de uma encenação delirante e megalomaníaca de Rei Lear.

Mais uma vez apreciei a facilidade da autora em descrever de forma irônica e, por que não dizer, um pouco cruel, o processo de envelhecimento de uma pessoa:

A meia-idade é um período de descuidos e incertezas na vida de um homem. Na da mulher, também, mas elas, pelo menos, enfrentam calores cíclicos, depressões hormonais que justificam as escolhas tortas. O homem, não, ele continua idêntico ao que sempre foi, só que pior, cada dia pior, enxaguando os cabelos, às escondidas, com xampus tonalizantes, e enlouquecendo de amor por meninas que poderiam ser suas filhas. As mulheres são mais realistas. A natureza obriga.

Também me diverti imaginando a quem ela estaria se referindo quando incorporou tantos “causos” profissionais à vida do personagem principal.

Se a escritora – criada nas coxias do meio artístico – não tem idade para ter presenciado muitas dessas histórias, com toda a certeza as escutou serem contadas pelos pais (Fernanda Montenegro e Fernando Torres) ou por seus amigos. Porque cada episódio narrado parece remeter a algum ator real, como se tivesse “um nome com endereço certo”, algo que só os iniciados poderão confirmar.

A leitura de “A glória e seu cortejo de horrores” atiçou a minha curiosidade para outros textos. Além da já mencionada peça de Shakespeare, Rei Lear, o romance de Fernanda Torres comentou sobre outra peça de teatro: “Tio Vânia”, de Tchekhov.

O meu primeiro impulso foi comprá-la. Mas bastaram alguns minutos de reflexão para desistir da ideia. Por mais que eu resista, preciso me conformar que jamais vou conseguir dar conta de tudo o que desejo ler. E assim, o nome Tchekhov foi devidamente anotado e se juntou à interminável lista de escritores que pretendo ler um dia.

 

  • A glória e seu cortejo de horrores

Fernanda Torres

Companhia das Letras

R$ 44,90

E-Book R$24,90

Aqui estão os sonhadores

É difícil de acreditar, mas o número de imigrantes ilegais vivendo nos EUA é quase o dobro dos moradores da cidade do Rio de Janeiro. São mais de onze milhões de pessoas vindas de diversos cantos do mundo – sabendo ou não falar inglês, com ou sem habilidades profissionais– desejosas de alcançar o tão mitificado “sonho americano”. Fico imaginando que tipo de vida essas pessoas levavam em seus países a ponto de desistirem de tudo e se arriscarem numa aventura incerta e cara.

Pois é sobre um casal assim que trata o primeiro romance da escritora camaronesa Imbolo Mbue, residente nos EUA há mais de uma década.

Aqui estão os sonhadores” conta a história de Jende e sua mulher Neni que imigraram para os EUA na esperança de construírem um futuro melhor do que aquele que teriam no país natal (Camarões). Eles acreditavam na própria capacidade de trabalho e desejavam, acima de tudo, dar uma vida boa para o filho de seis anos, e também para o bebê que estava para nascer.

Os primeiros empregos que Jende encontrou foram cansativos e mal remunerados. Mas graças à recomendação de um parente, que morava nos EUA há mais tempo, finalmente sua sorte começou a mudar. Ele foi contratado para ser o motorista particular de um importante executivo do banco Lehman Brothers, e de sua família.

Discreto e atencioso, Jende logo notou que a vida do casal para o qual trabalhava não era exatamente um mar de rosas. Enquanto dirigia para o patrão, também presenciava conversas telefônicas de trabalho que quase sempre terminavam em calorosas discussões.

Mas se os patrões tinham problemas, ele também os tinha. O visto temporário que lhe permitiu entrar nos EUA expirara há muito tempo, e ele precisava manter o emprego a qualquer custo para não ser deportado.

Por isso, quando a crise financeira de 2008 estourou levando à falência o banco onde o patrão trabalhava, a sua permanência nos EUA ficou ainda mais instável.

Mas será que valia a pena lutar por um sonho – por mais lindo que ele fosse – se isso viesse a causar sofrimento a outras pessoas, ou se Jende precisasse compactuar com atitudes indefensáveis?

Aqui estão os sonhadores” é uma reflexão poderosa sobre as dificuldades que os imigrantes ilegais encontram nos EUA. E graças às recentes medidas anti-imigração adotadas pelo governo Trump tornou-se um leitura mais atual do que nunca.

 

(O livro foi o vencedor do Prêmio PEN/Faulkner de ficção de 2017 concedido a escritores vivos norte-americanos)

 

  • Aqui estão os sonhadores

Imbolo Mbue

Globo Livros

R$ 49,90

%d blogueiros gostam disto: