O colecionador de ossos e as películas automotivas

colecionado de ossosNão eram 11h da manhã quando passei por uma barreira policial que estava sendo montada numa rua interna da Pituba. Estranhei. Ainda era cedo para verificar o nível alcoólico dos motoristas. Afinal, a maioria dos restaurantes só abriria as portas para comemorar o Dia das Mães dali a uma hora.  Meu carona comentou que a blitz era para inspecionar a documentação dos automóveis e se as películas escuras coladas nos vidros dos carros estavam de acordo com a legislação.

Apesar dos argumentos favoráveis à sua utilização, nunca coloquei essas películas no meu carro. Tudo por causa de um livro que li há mais de quinze anos: O colecionador de ossos, de Jeffery Deaver. Verdade seja dita, também nunca mais peguei um táxi no aeroporto de qualquer cidade que não conheço com a mesma confiança e tranqüilidade de antigamente.

A história do livro começa com um casal chegando a Nova Iorque para participar de uma feira organizada pela empresa onde trabalham.

Despreocupados, entram no primeiro táxi disponível e informam ao motorista para onde querem ir. Sentados no banco dos passageiros, os dois conversam sobre o que esperam ver e aprender durante o evento. O trajeto é longo mas, a certa altura, o homem que já estivera outras vezes na cidade percebe que o motorista não está fazendo o trajeto usual. Querendo saber a razão da mudança – talvez a ponte esteja interditada para obras de manutenção – bate na divisória que separa o condutor do passageiro. O motorista parece não prestar atenção. O homem bate mais forte e – se não me falha a memória – o motorista aumenta o volume do rádio. Nervoso, o passageiro agora está esmurrando a divisória e continua sendo totalmente ignorado.

O carro entra em ruas que ele não conhece e se afasta cada vez mais do destino final. Aflita, a acompanhante tenta abrir a janela do carro mas, assim como as portas, ela está travada. O casal percebe com horror que são prisioneiros daquele motorista insano.  A região por onde passam é inóspita e os raros pedestres não os podem ver nem ouvir seus apelos desesperados pedindo ajuda. Os vidros do carro estão revestidos com uma película escura que esconde o que está acontecendo dentro dele.

Pois é, fiquei traumatizada. Não há nada nem ninguém que me convença a colocar as tais películas no carro.

Há quem argumente que elas protegem o motorista de assaltos. Mas se eu seguir à risca a legislação, o interior deverá ficar visível. Se os bandidos podem me ver e eu também posso vê-los, qual é a vantagem da película?

Depois, desconfio de quem intencionalmente coloca uma película mais escura daquela permitida por lei, a ponto de não se poder dizer quem está dirigindo ou quantas pessoas estão dentro do carro. Quem me garante que no interior do automóvel não se esconde um marginal?

Colocar películas para diminuir o calor interno do automóvel? Não é um argumento que me convença. Por enquanto a lembrança de O Colecionador de Ossos é muito forte para me fazer mudar de opinião.

 

  • O Colecionador de Ossos

Jeffery Deaver

Editora Record

R$ 27,90 (edição de bolso)

R$ 25,00 (E-Book)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: