O cérebro de Hugo

 

Costumo acessar o Facebook mais vezes do que gostaria e admito que o novo hábito (ou vício) rouba-me um tempo precioso que deveria ser dedicado a afazeres  mais construtivos.

Claro que gosto de ver as fotos dos amigos, ler os pensamentos inspiradores, as receitas infalíveis de sucos que ajudam a emagrecer e assistir a dezenas de vídeos engraçadinhos, mas quando finalmente resolvo dar um basta nesse rolo infinito de informações, quase sempre me pergunto:  O que sobrou de tudo isto, valeu a pena?

No entanto, por vezes sou surpreendida. Recentemente, abri com alguma displicência um video francês legendado, que alguém postara na minha linha do tempo.

Durante uma hora e quarenta minutos, emocionei-me profundamente com o sensível documentário-ficcional O cérebro de Hugo, realizado por Sophie Révil, que aborda um tema incômodo e ainda não muito bem compreendido: o autismo.

O documentário intercala a história de Hugo – reunindo em um único personagem os múltiplos obstáculos vividos por diversas pessoas – com os depoimentos reais de crianças, adolescentes e adultos, portadores dessa síndrome que compromete as habilidades de comunicação e interação social.

Recordei que até há bem pouco tempo (início dos anos 1980) vigorava a tese do psicólogo Bruno Bettelheim, pela qual as crianças se enclausuravam em si mesmas para se protegerem da frieza emocional de suas mães, apelidadas de “mães geladeiras”.

Não consigo mensurar o sofrimento vivido por essas mulheres que, ao procurarem ajuda, eram apontadas como responsáveis pelo insucesso comportamental de seus filhos.

O documentário retrata a dificuldade que os autistas têm em interagir com familiares e estranhos, e os esforços feitos por todos aqueles que os amam para que consigam criar laços afetivos e explorar suas capacidades intelectuais e artísticas.

O cérebro de Hugo é uma ponte que cruza um rio caudaloso, repleto de redemoinhos traiçoeiros, como a ignorância e o preconceito. No entanto, quem conseguir chegar à outra margem, perceberá que eles, assim como nós, desejam apenas ser aceitos e amados.

 

 

Para conhecer um pouco mais sobre o tema, recomendo a leitura de O filho antirromântico, escrito por uma mãe e professora de literatura, Priscilla Gilman.

O-filho-antirromantico

 

  • O Filho Antirrromântico

Priscilla Gilman

Editora Companhia das Letras

R$ 39,90

E-Book R$ 27,90

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: