A Bibliotecária de Auschwitz

A-bibliotecaria-de-auschwitzTenho a impressão de caminhar por tempos estranhos, em que a desfaçatez e o egoísmo chegaram para reinar definitivamente.

Quando esse sentimento parece me dominar, procuro refúgio na leitura de relatos inspiradores de homens e mulheres, que apesar das enormes adversidades por que passaram, conseguiram manter acessa a frágil chama de sua humanidade. Vidas como a de Dita Dorachova personagem do romance A Bibliotecária de Auschwitz.

Antonio G. Iturbe, o autor deste livro, não pretendia escrever sobre os horrores do Holocausto, mas quando terminou de ler A biblioteca à noite de Albert Menguel, quis saber mais sobre a minúscula biblioteca que existiu dentro de um campo de concentração em Auschwitz.

Suas pesquisas o levaram até à verdadeira bibliotecária – atualmente uma senhora octogenária morando em Israel – que à época dos fatos relatados era uma adolescente de 14 anos.

Dita Dorachova foi responsável por cuidar de oito preciosos livros em papel que circulavam clandestinamente no pavilhão 31 (um atlas estropiado, um tratado de geometria, Uma breve história do mundo de H. G. Wells, uma gramática russa, um romance em francês, um compêndio de psicanálise e um romance tcheco considerado escandaloso pelos adultos).

Além desses existiam outros, os chamados livros “vivos”.  Na verdade pessoas que conheciam tão profundamente uma história que podiam repeti-la todas as vezes que um professor solicitasse a sua “leitura”.

O pavilhão 31 serviu como fachada “humanitária” dos nazistas. Enquanto os pais trabalhavam era ali que se amontoavam, durante o dia, mais de 500 crianças. Monitores procuravam tranquilizá-las, improvisando uma rotina de estudos e brincadeiras.

“Os livros alinhados formam uma fileira minúscula, um modesto desfile de veteranos. Nos últimos meses, porém, conseguiram que centenas de crianças passeassem pela geografia do mundo, aproximassem-se da história e aprendem-se matemática. E adentrassem os caminhos sinuosos da ficção, multiplicando suas vidas. Nada mau para um punhado de livros velhos.”

O medo de ser descoberta era companheiro constante de Dita. A posse de qualquer livro, por mais inofensivo que fosse, equivalia a uma sentença de morte.  Imagine, então, o que poderia acontecer com quem fosse responsável por tomar conta de oito!

Ela reconhecia a força que a leitura tinha na vida dessas crianças, porque também a vivenciava. Os livros a faziam imaginar outros lugares, viajar para outros tempos, enfim fugir dali!

Mas se as leituras podiam ser inspiradoras e reconfortantes também eram perturbadoras e revolucionárias. Não é que aquele romance tcheco considerado por muitos como indecente e escandaloso conseguiu fazê-la rir, e, ao mesmo tempo, denunciou a estupidez de todas as guerras?

A Bibliotecária de Auschwitz é uma belíssima homenagem ao poder redentor encontrado nos livros, e a seus defensores – autênticos heróis anônimos que os protegeram até às ultimas consequências.

“Se o homem não se emociona coma beleza, se não fecha os olhos e põe em funcionamento os mecanismos da imaginação, se não é capaz de fazer perguntas e vislumbrar os limites de sua ignorância, é homem ou mulher, mas não é pessoa”.

 

  • A Bibliotecária de Auschwitz

Antonio G.Iturbe

Editora Agir

R$ 39,90

E-book R$ 27,40

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: