O homem que sabia a hora de morrer

O-homem-que-sabia-a-hora-de-morrerLi em algum lugar uma crítica elogiosa ao livro “O homem que sabia a hora de morrer”. Não conhecia a autora, Adelice Souza, o que não é de se estranhar, porque por ser baiana e não fazer parte do ‘sudeste maravilha’, o seu trabalho ainda não foi descoberto no restante do país. No entanto, isso não irá demorar muito, pois foi com este mesmo livro que a escritora concorreu ao prêmio Jabuti de 2013 na categoria juvenil*.

O titulo me fisgou desde o início. Quanto à capa fiz algumas restrições. Achei-a escura, sombria, e quando terminei de ler o livro achei que não combinava com o seu interior. Afinal, as histórias narradas eram luminosas e repletas de poesia: “Olhava a avó com os ossos cansados, e a fadiga era boa: veio do uso pensei. Usou os ossos, requebrou o esqueleto, rebolou as ancas, foi feliz a avó, houve dança”.

Apesar da autora se deter um pouco mais  no avô Lau – aquele que sempre soube quando ia morrer – fala também, com muito carinho, dos outros avós. As recordações são singelas, mas fortes. Pessoas simples tornam-se gigantes ao serem retratadas pelo seu olhar amoroso. Lugares despretensiosos e acolhedores são apresentados e me deixaram com uma vontade grande de os conhecer.

Neste livro juvenil, a autora fala de coisas antigas, de uma tradição que vai se perdendo a cada dia: “não se deve escrever nada em tronco de árvore, nem mesmo o nome do enamorado dentro de um coração. A árvore chora seiva, sente dor e o amor não vinga“. Mas Adelice fala principalmente dos afetos generosos entre gerações, atuais e eternos, e que darão bons frutos enquanto forem relembrados e vividos com saudade.

* O prêmio acabou sendo ganho por outro escritor baiano, Aldri Anunciação, com o livro NAMÍBIA, NÃO!

4 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Joao Em Decomposição
    dez 17, 2013 @ 09:03:00

    Se um título como esse não assustou os juvenis, até que a turminha está bem evoluída. Os trechos citados, também, me parecem bem maduros pra serem degustados por adolescentes. Ou será que esse é um daqueles livros destinado aos jovens e mais lidos por adultos? Lembram do Pequeno Príncipe? Pois é, os avós gostam dele bem mais do que os netos….. Em tempo, o livro tá nas livrarias de salvador?

    Responder

    • fagulhadeideias
      dez 17, 2013 @ 10:24:55

      Você tem razão João. Apesar do livro se enquadrar como juvenil acredito que agradará mais aqueles que já criaram as próprias memórias afetivas. Comprei o meu exemplar em uma livraria de shopping.

      Responder

  2. Mariana
    dez 17, 2013 @ 10:48:32

    Querida Paula, que saudade desse canto de boas dicas!
    Conheci essa autora em uma palestra sobre a carreira de escritor e a achei luminosa!
    Nunca li um livro dela, mas anotei o nome para não esquecer.
    Mais um para a minha lista! Obrigada!
    Aproveito para recomendar outra escritora baiana: Állex Leilla (acho que é assim que escreve o nome). Ela também ganhou prêmios literários e acabou de lançar mais um livro: “Chuva Secreta”. Acabei de ler e recomendo!!!
    Beijos.

    Responder

    • fagulhadeideias
      dez 17, 2013 @ 15:00:56

      Suas indicações são sempre bem vindas. Também não conheço essa escritora. O maior problema que os autores iniciantes enfrentam é a divulgação do seu trabalho e depois a distribuição dos livros. Beijo

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: