Palmeiras na Neve

Palmeiras-na-NeveUma amiga, recém-chegada de Portugal, trouxe-me de presente Palmeiras na Neve. Escrito pela espanhola Luz Gabás, o livro fez muito sucesso por lá, mas ainda não foi editado no Brasil. Espero que não demore muito, pois trata-se de um romance com uma pesquisa histórica bem feita, que vale a pena ser lido.

A  ambientação de Palmeiras na Neve lembra a de Equador, livro do jornalista português Miguel Sousa Tavares, que li há 10 anos.  Os dois romances transcorrem em ilhas diferentes – ambas localizadas no Golfo da Guiné – onde os colonizadores europeus sofrem com o clima inclemente das regiões equatoriais, e suas vidas giram em torno da produção, colheita e comercialização do cacau.

A história de Equador se passa no início do século XX quando as colônias portuguesas ainda exploravam a mão de obra escrava – mesmo que de forma dissimulada. Por sua vez, a narrativa de Palmeiras na Neve começa quase cinquenta anos depois, com os espanhóis trabalhando lado a lado dos nativos sem, no entanto, deixarem de ser e ter os privilégios de autênticos colonizadores.

As semelhanças entre os dois livros terminam aí. A trama de Luz Gabás oscila entre o passado e o presente; entre um pequeno vilarejo incrustado na encosta espanhola dos Pirineus – onde os invernos são longos e rigorosos – e a luxuriante ilha de Fernando Pó.

(como fato curioso, para os futuros leitores brasileiros, é interessante saber que os portugueses administraram a ilha até 1777,  quando a cederam à Espanha em troca da ilha de Santa Catarina no sul do Brasil)

Ao remexer em papéis antigos, Clarence – filha e sobrinha de dois irmãos que, em busca de trabalho, trocaram as neves da terra natal pelas palmeiras exuberantes da África – encontra uma carta “diferente”. Uma carta que não se encaixa entre as outras que eles enviaram, durante anos, narrando o cotidiano da fazenda de cacau onde viviam.

Essa carta revela a existência de uma mulher que juntamente com filhos foi deixada para trás, quando o pai e o tio foram forçados a abandonar a ilha, por causa dos conflitos deflagrados durante o processo de independência da ilha. Um segredo que os uniu por várias décadas, e sobre o qual se recusam a falar.

Curiosa, Clarence decide descobrir a verdade, e viaja para Bioko (antiga ilha Fernando Pó) procurando encontrar as pessoas que os conheceram e os lugares por onde andaram.

À medida que a leitura avança percebe-se que o segredo é bem mais terrível do que ela havia imaginado. Como uma raiz que cresce e se desenrola rapidamente, a verdade termina por chegar até ao presente, e com força para destruir as pessoas que Clarence mais ama.

Palmeiras na Neve é um romanção de leitura fácil, que tem um pouco de tudo: história, amor, paixão, segredos, violência… Enfim, um livro para se prestar atenção quando chegar  às nossas livrarias.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: